Pular para o conteúdo principal

Exemplo de CRUD para o AppEngine(Struts 2 + Google Guice + JPA)

E dando continuidade a série "Who wants to be a milionaire"...

Ok, então você já teve a sua idéia milionária, já deu uma lida no Google AppEngine(GAE) depois do meu último post mas agora tá faltando aquele 'empurrãozinho' para iniciar seu projeto.
Tudo bem, aqui vai um empurrão ladeira abaixo...

Vou detalhar neste post uma aplicação completa(CRUD) utilizando alguns frameworks Java(Struts 2, Google Guice, JPA) sendo hospedada no Google AppEngine(GAE).
Não vou entrar em detalhes específico de cada um dos frameworks pois precisaria de algumas dezenas de posts para isso, o intuito é somente a adaptação necessária para ser executada no GAE, e alguns comentários sobre a arquitetura do projeto.

> Struts 2
Infelizmente não é plug-and-play neste ambiente, porém para utilizar o Struts 2 no ambiente do GAE, as modificações são bem simples.
A primeira delas é em relação ao framework Ognl que para execução de Reflection acaba esbarrando em algumas problemas de segurança.
Para corrigir basta criar um ServletContextListener que desabilita tais verificações de segurança do framework.
Código aqui

A segunda limitação é referente ao framework freemarker. Ele faz uma referência a classe javax.swing.tree.TreeNode que não é permitido pelas regras de segurança do ambiente. Há duas possibilidades de solução, a comunidade responsável pelo freemarker criou um pacote com esta classe já modificada, para rodar no GAE, e outra possibilidade é sobreescrever esta classe removendo as referências.
Código aqui

> Guice
Esse sim é plug-and-play, sem modificações necessárias.

> JPA
Como devem ter notado, o GAE não possui um 'banco de dados' como conhecemos e estamos acostumados com os SGBDR. O Google desenvolveu seu próprio banco de dados, não relacional, que é conhecido por 'BigTable', e diferente dos bancos de dados relacionais que estamos acostumados, a forma de manipulação e organização do BigTable é um tanto diferente. porém a maior parte dessas partiularidades é abstraido dos desenvolvedores ao utilizarem a API de JPA, o framework Datanuclues se encarrega de fazer o trabalho pesado.
Aqui vocês podem ver mais detalhadamente.

Pronto, os três principais frameworks da aplicação, depois das customizações e configurações estão prontos para serem executados.

A aplicação de exemplo que criei é um CRUD simples, com as opções de login/adicionar/excluir/listar e além de um upload de arquivos.
O código fonte, e toda a aplicação podem ser baixados neste link.

Basta executá-lo e modificar segundo a sua aplicação.

> Upload de arquivos
Se quiserem utilizar a opção de upload do Struts 2 com a API de commons.fileupload, funciona sem problemas, porém o meu exemplo eu preferi utilizar a API de Blobstore(ainda em versão beta) disponibilizada pelo GAE.
É uma API bem prática e simples, e facilita muito a vida ao se trabalhar com arquivos.
O que você precisa fazer para trabalhar com ela, é ao fazer um upload, redirecionar o seu destino, ao invés de enviar o arquivo para um servlet/action, você envia para a API de Blobstore que já armazena o arquivo para você, lhe disponibilizando a chave de acesso para este arquivo. E com isso já elimina os diversos problemas que você teria para controlar e armazenar arquivos.
Código aqui.
[Se derem uma olhada no código da minha classe BlobstoreServlet, verão que há alguns códigos de manipulação de imagem com a API de ImageService, caso vocês queiram redimensionar, girar, cortar, etc]

Pronto, agora o que falta para você tirar a idéia do papel?

Algumas observações sobre o projeto:
==>O controle de transação e do EntityManager JPA, está sendo feito atrás do padrão Open Session In View, ou seja, a cada request é uma transação gerenciada por um ServletFilter. Assim evitamos o trabalho manual de controle de transação e principalmente as exceptions de LazyInitialization.
==>O Guice que está controlando toda a injeção de dependência, e está sendo utilizado para separar as camadas da aplicação. Assim caso você queira tirar sua aplicação do GAE e rodar em um servidor próprio, basta mudar as implementações na classe IoCBinder.
==>Para API de Blobstore funcionar em ambiente de produção, é necessário que sua aplicação esteja habilitada a cobrança.

Caso queiram conferir a aplicação rodando online:
http://strust2crud.appspot.com/ (usuário - rafael@yaw.com.br / senha - yaw)

Então é isso. Boa sorte com vossos projetos, e a cerveja pode ser Bohemia ou Original mesmo.

Rafael Nunes
http://twitter.com/rafanunes
http://blog.globalcode.com.br/search/label/Rafael
http://www.yaw.com.br
http://www.globalcode.com.br/instrutores/RafaelNunes

Comentários

Unknown disse…
Boa tarde,

Muito legal.

o exemplo não está entrando com o login e senha passado no fim do post.
Oi Rafael,

o post é muito interessante, mas também não consegui fazer o login com o username-password indicados.

Aproveito para deixar 3 perguntas aqui:

. Você saberia dizer se o Wicket é plug-and-play no GAE, como você diz?

. Na seção sobre JPA, você está se referindo ao produto DataNucleus, não é?

http://www.datanucleus.org/

Esse produto implementa a JPA para o Big Table do GAE do mesmo modo que o Hibernate implementa a JPA para BDs relacionais?

. É necessário incluir o DataNucleus na sua aplicação ou ele já está integrado à API Java do GAE?

Obrigada,

Cristina
Unknown disse…
@TronBr
Corrigido, pode logar.

@Cris
1 -Wicket não é plug-and-play, é necessário alguns ajustes, segue abaixo alguns tutoriais de como fazer;
http://www.danwalmsley.com/2009/04/08/apache-wicket-on-google-app-engine-for-java/
http://stronglytypedblog.blogspot.com/2009/04/wicket-on-google-app-engine.html
http://hiroshi-koizumi.appspot.com/google-app-engine/wicket.jsp

2 - Não completamente. Não é uma limitação do Datanucleus em si, e sim do BigTable e da API de JPA disponibilizada para ele. porém há algumas limitações sim:
http://code.google.com/appengine/docs/java/datastore/usingjpa.html

3 - É necessário se você estiver desenvolvendo sem o plugin do GAE para o Eclipse, o plugin já adiciona as libs do dataucleus em todo projeto que você criar.

Abraço,
Roberto disse…
Olá Rafael,
Desculpe mas não estou conseguindo fazer o download do projeto.
Ao clicar no link sou encaminhado para http://code.google.com/p/yaw2gae/ como devo proceder a partir de então.
Desde já agradeço,
robertoafl@hotmail.com
Gostaria de saber se caso eu implementar o upload e outras API's do google eu poderei em um outro momento quando tirar a app de la e colocar em um outro servidor usar as mesmas API's ou vou ter que refatorar o código?
Unknown disse…
Pra que quiser começar tem um artigo interessante nesse blog
http://googleengineapp.blogspot.com/2010/05/introducao-ao-google-engine-app.html
Mateus disse…
Olá Rafael, nao estou conseguindo logar com o usuário e senha indicado no post. Você poderia me passar um usuário e senha correto?

Obrigado

Mateus Flávio

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o