Pular para o conteúdo principal

Como conectar uma placa ADK e um aplicativo Android de forma indolor

Bom dia.

Neste pequeno artigo pretendo mostrar como é fácil e rápido codificar um Arduino com suporte a ADK e um smartphone para ambos se reconhecerem. Em um próximo artigo pretendo mostrar como funciona a troca de dados. Porém, vamos em partes.

Inicialmente precisamos definir o ADK e, nada melhor que pedir ajuda a criadora desta plataforma, o nosso ilustríssimo Google. Na página de desenvolvedores Android encontrei a seguinte definição: The Android Open Accessory Development Kit (ADK) is a reference implementation of an Android Open Accessory, based on the Arduino open source electronics prototyping platform.Ou seja, é um Arduino Mega com um protocolo Android específico.

Neste link encontram-se duas coisas valiosas. A primeira, encontrada no link com o texto "ADK package download", é o código para a placa ADK e o código para o aplicativo Android utilizado no famoso ADK DemoKit, mostrado em 99% das palestras sobre a tecnologia.

Mas, para iniciantes, talvez não seja uma boa idéia estudar este código, pode confundir um pouco as coisas. Então, porque não começar com o código mais simples possível. Uma espécie de esqueleto, o DNA da comuicação ADK-Aplicativo.

Começamos pela parte mais fácil, a do Arduino ADK. Vejam o código:

#include <Max3421e.h>
#include <Usb.h>
#include <AndroidAccessory.h>

AndroidAccessory acc("Fabricante", "Modelo", "Descricao", "Versao", "URI", "Serial");
void setup() {
  Serial.begin(115200);
  acc.powerOn();
}

void loop() {
  if (acc.isConnected()) {
    //fazer algo
  }
  delay(250);
}


Essencialmente temos apenas três linhas além do já tradicional código Arduino, que necessita dos métodos setup e loop. Além dos includes, mas esses serão sempre fixos então não precisam de tanta atenção.

Inicialmente é necessário criar um objeto AndroidAccessory. Os parâmetros passados são como uma identificação do ADK. Os mais importantes são o fabricante, o modelo e a versão. A URI também pode ser de grande utilidade, isso porque, se o Android não encontrar um aplicativo capaz de lidar com aquele ADK, ele pode pegar esta URI e mandar para a Google Play por exemplo.

No setup temos uma chamada ao método powerOn, que muda o estado do ADK para ativo. No método loop é feito um teste lógico para saber se o ADK já está conectado ao smartphone. Caso afirmativo, podemos iniciar a troca de informações entre o ADK e a aplicação Android. Mas isso é assunto para os próximos artigos.

E o código Android, será tão fácil quanto este? Sim.

A primeira mudança é no AndroidManifest.xml. Deve ser informada o uso da biblioteca com.android.future.usb.accessory.

<uses-library android:name="com.android.future.usb.accessory" />

Ainda no mesmo arquivo, vamos acrescentar mais um IntentFilter para a única tela da aplicação, o famoso Hello World.

<activity
            android:name="com.example.firstappadk.MainActivity"
            android:label="@string/app_name" >
            <intent-filter>
                <action android:name="android.intent.action.MAIN" />

                <category android:name="android.intent.category.LAUNCHER" />
            </intent-filter>
            <intent-filter>
                <action android:name="android.hardware.usb.action.USB_ACCESSORY_ATTACHED" />
            </intent-filter>

            <meta-data
                android:name="android.hardware.usb.action.USB_ACCESSORY_ATTACHED"
                android:resource="@xml/accessory_filter" />

</activity>

As mudanças ficaram em negrito. O filtro adicional responde a ação android.hardware.usb.action.USB_ATTACHED. Além disso, é necessário um meta-data, com um nome sempre fixo e a identificação de um recurso xml. No exemplo ele foi colocado dentro da pasta res, subpasta xml, arquivo accessory_filter.xml.

E o que encontramos neste XML? Veja abaixo:

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<resources>
<usb-accessory manufacturer="Fabricante" model="Modelo" version="Versao" />
</resources>


Perceba que os dados de fabricante, modelo e versão são os mesmos informados no código do Arduino. Por este motivo uma placa ADK pode ser construída especificamente para um aplicativo. E isso é fantástico, abre infinitas possibilidades de customização, de uso massivo de internet das coisas, internet física e todos estes termos inovadores.

Bem, em relação ao código é só isso. Sim, já acabou.

O leitor pode estar se perguntando, mas como eu sei qual Arduino é um ADK. Neste link você encontra esta listagem. Eu estou usando para testes o ADK da Seeed Studio, mais especificamente o ADK Dash Kit. E smartphones tenho o Galaxy Note 8 e o Motorola Razr I .Uma observação importante. Já testei em outros aparelhos Samsung, como o S3 e S4, e sempre funcionou. O único que me deixou na mão é o Razr I. Minhas suspeitas são em relação ao chip Intel do Razr, os outros que testei tem chips ARM.

Veja o vídeo do código em execução:
Dúvidas? Pergunte nos comentários. E aguarde os próximos posts.

E, último lembrete. A Academia Android da Globalcode tem um módulo que fala só de Arduino, Android e ADK. 

Att.
Ricardo Oglliari

Comentários

Matheus Gomes disse…
Sensacional cara! Inovação na madrugada é show de bola! Espero em breve ter Oportunidade/Projeto para desenvolver uma solução ou aplicação com essa base de ADK... chega a ser lindo pensar em 'Internet das Coisas' e saber que já sei como posso desenvolver!!!!
Arduino Team disse…
Hehehee.

É a mes a sensação que eu tenho. É como fazer parte de uma grande mudança na sociedade.

Quando criar algo quero ver post também hein, heheh

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o