Pular para o conteúdo principal

Um Pouco sobre os Novos Sistemas Operacionais para Mobile



O mercado de plataformas móveis está claramente centralizado em dois nomes: iOS e Android. A dupla revolucionou o mercado e acabou com o império do Symbian, que durava mais de uma década. Uma pesquisa da Strategy Analytics mostrou que ambas foram responsáveis por 92% de todos os smartphones embarcados no quarto trimestre de 2012.

Mas engana-se quem pensa que outras empresas jogaram a toalha. Temos as duas mais conhecidas de todas. O Windows Phone e o recém-lançado BlackBerry 10.

O Windows Phone é uma plataforma que já tenho um pouco de experiência, tendo escrito alguns artigos para revistas e, começamos a trabalhar com ela na StillRocker. Empresa da qual sou sócio.É um bom sistema operacional, com um visualmente e conceito totalmente inovador. Mas ainda não vingou no mercado.

Já o BlackBerry 10 é totalmente novo em relação aos seus antecessores, nos quais trabalhei durante três como desenvolvedor. Tive a oportunidade de participar de um evento de pré-lançamento da plataforma realizada em São Paulo no ano de 2012. Confesso que achei o sistema operacional bonito e estável. Basta esperar e ver se a empresa canadense vai recuperar seu mercado perdido.

Mas não paramos por aí. O final de 2012 e início de 2013 estão sendo marcados pelo anúncio de novos sistemas operacional para o mundo mobile. Neste texto, vamos falar dos principais: Firefox OS, Ubuntu Phone, Tizen e SailFish OS.

Vamos começar falando do SailFish OS, desenvolvido pela Jolla, empresa formada por ex-funcionários da Nokia insatisfeitos com a morte do MeeGo. Este OS ainda é prematuro, não contendo muita informação na internet. Seu SDK vai ser lançado no início deste ano (2013).

Segundo minha pesquisa o SailFish terá suporte a aplicativos Android. Na página oficial do projeto pode ser visto uma citação ao Qt e a ferramenta QtCreator. Que, concidentemente é uma das apostas no novo BlackBerry 10. Abaixo, segue um vídeo lançado pelo Jolla que mostra um pouquinho do que será este OS.


Já o Tizen é uma iniciativa liderada pela Samsung, Intel e Linux Foundation. É baseado no Linux e terá forte apelo a tecnologia HTML 5 (outra constante nestas novas plataformas). Segundo consta, também terá suporte a aplicativos Android. Porém, tem foco em dispositivos mais simples.

O Tizen parece ser uma plataforma mais madura que o SailFish. Por exemplo, tem um guia para desenvolvedores bem completo (https://developer.tizen.org/documentation/dev-guide). Terá suporte para aplicativos com padrões Web (HTML5, CSS  e JavaScript), aplicativos nativos (C/C++) e híbridos. Infelizmente, parece que o download do SDK do Tizen está com problemas, então, não vou conseguir falar sobre isso.

Abaixo, um vídeo com o Tizen 2.0 Magnolia:


 
O Tizen terá suporte a features avançadas, como o NFC por exemplo. Além do GPS, 4G e versões para tablets, notebooks e televisores.

O Ubuntu Phone, criado pela Canonical também tem um nível de maturidade bom. Basicamente será uma versão semelhante ao Ubuntu para Desktop, porém, para smartphones, tablets e televisores.

Assim como o Tizen, Web Apps são o foco principal. Possui API´s específicas para uma melhor integração com o hardware. Logicamente, a tríade HTML 5, CSS e Java Script está presente. Porém, para rich applications a plataforma fornece um ambiente de desenvolvimento nativo, misturando QML com uma engine C ou C++. Além de suporte a OpenGL.

Infelizmente também não consegui instalar este SDK, pois, encontrei somente a linha de comando apt-get no site oficial. Como não utilizo Linux no notebook ficou impossível testar.

Veja mais sobre o SO no vídeo abaixo:



E, por último, mas não menos importante, temos o Firefox OS. Que tem um slogan grande na sua página oficial dizendo “trazendo a open web para dispositivos mobile”. É desenvolvido pela Mozilla Foundation.

Talvez o que vou falar já não é mais surpresa, mas, foca no uso do HTML5 juntamente com API fornecidas pela Mozilla para criação de aplicativos com uma experiência de usuário melhor. CSS e Java Script fornecem o apoio restante no ambiente de desenvolvimento.

A plataforma também já conta com um site com uma vasta documentação e um esboço de marketplace. Não encontrei nenhuma referência a SDK no site oficial.

Abaixo, um vídeo que mostra um pouco do que é o Firefox OS:


E o que estes novos sistemas operacional para dispositivos mobile nos dizem? Que devemos esquecer Android, a plataforma líder de mercado atualmente? Que java está com os dias contados e devemos correr desesperadamente para HTML5?

Minha opinião é bem simples. Essa resposta quem nos dará é o mercado. Não conseguimos estudar todas as plataformas, sistemas operacionais e outras novidades que surgirem. Indico conhecermos basicamente cada uma delas e aumentar o tempo de estudo conforme aumenta sua adoção no mercado. Um bom exemplo é o Windows Phone. É uma ótima plataforma, o Metro Style acertou em cheio no design mas, ainda não ganhou mercado.

E o HTML5, CSS e Java Script? Se você leitor, for um desenvolvedor de aplicativos nativos para Android ou iOS, eu sugiro que começe a estudar um pouco mais estas tecnologias. Afinal, não temos bola de cristal para saber o comportamento do mercado.

E o Android? Mesmo que ele comece a perder espaço (o que eu duvido), isso ainda vai levar um bom tempo. Talvez o sistema operacional do Google imite a Nokia e o Symbina, reinando por uma década e meia.

Att.
Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o