Pular para o conteúdo principal

Como Scala melhorou meu código Java

Ontem publiquei no meu blog pessoal algumas críticas ao método clone. Eu diria que esse é um assunto um pouco delicado. Resolvi escrever um pouco aqui também em homenagem a uma discussão sobre este mesmo assunto que tivemos em uma das turmas da Academia do Arquiteto, alguns meses atrás.

Antes de entrar nos detalhes, vamos deixar claro o ponto aonde vamos chegar: objetivos imutáveis podem ajudar muito na qualidade do nosso código, e estudar a linguagem Scala me ajudou a enxergar isso. Dito isso, vamos aos pormenores.

O método clone tem pelo menos dois grandes problemas. O primeiro deles é conceitual. Para suportarmos operações de clone em nossos objetos, temos que implementar a interface Cloneable. Faria todo o sentido do mundo, se o método clone estivesse definido nesta interface, e não em Object.

O segundo problema é de ordem mais prática. Vejamos o código abaixo, em Scala, que é o mesmo que usei no meu post mencionado acima:

class A(b: B) extends Cloneable {
  override def clone() = super.clone
  override def toString() = "[A: %s]".format(b)
}

class B(c: C) extends Cloneable {
  override def clone() = super.clone
  override def toString() = "[B: %s]".format(c)
}

class C(var x: Int) extends Cloneable {
  override def clone() = super.clone
  override def toString() = "[C: %d]".format(x)
}

val c = new C(10)
val b = new B(c)
val a = new A(b)

val a2 = a.clone
c.x = -99

Temos três classes, A, B e C. Criamos um objeto a, e depois clonamos ele. O clone, diferente do que pode parecer, faz apenas uma cópia rasa do objeto. Ou seja, ele não vai criar um novo b dentro do a, vai apenas copiar a referência. Se quisermos uma cópia profunda, criando novos objetos internos, temos que implementar isso na nossa sobrecarga do método clone. Veja o que acontece na versão atual:

scala> println(a)
[A: [B: [C: -99]]]

scala> println(a2)
[A: [B: [C: -99]]]

Ou seja, a última linha, c.x = -99, alterou tanto o a quanto o a2, o que não era o que gostaríamos.

E o que Scala tem a ver com tudo isso? Imutabilidade. Isso não é excluisivo desta linguagem, mas um dos pensamentos que linguagens funcionais (o que inclui Scala) traz é a preferência por estruturas de dados imutáveis.

E é aqui que Scala ajuda a melhorar nosso código - nos expondo a novas idéias. Em um pensamento "tradicional" na linguagem java, a tentação seria sobrescrever corretamente o método clone, mesmo isso dando um certo trabalho, e com grande risco de não funcionar corretamente.

Nosso novo pensamento é: vamos remover completamente a funcionalidade de clone e vamos tornar os objetos imutáveis. Algo assim:

case class A(b: B, name: String)
case class B(c: C)
case class C(x: Int)

val c = C(10)
val b = B(c)
val a = A(b, "jcranky")

Agora todos os elementos das nossas classes são imutáveis - i.e. não podem ser alterados. Se quisermos alterar alguma coisa, temos que fazer o que já sabemos fazer com Strings: criar um objeto novo, com a alteração desejada. Denovo no meu post mencionado lá em cima, eu explico um pouco mais sobre como criar esse objeto novo, sem ter que fazer muito trabalho manual.

Além da corretude do código, isso traz diversos outros benefícios, como a não necessidade de locks - o estado não muda, não precisamos bloquear o acesso a ele.

E isso, é claro, é apenas um exemplo. Scala tem muito mais recursos interessantes que, mesmo quando não estamos usando a linguagem, servem para abrir nossa cabeça.

Se quiser saber mais sobre Scala, na semana que vêm teremos mais um turma do Mini Curso gratuito de Scala. E em setembro teremos a primeira turma do Core Scala, um treinamento completo nesta linguagem.

Por fim, o Kleber também publicou dois posts muito bons sobre como começar a programar em Scala, aqui e aqui. Vale a pena ler.

----------
contatos:

blog: http://jcranky.com
twitter: http://twitter.com/jcranky
scaladores: http://scaladores.com.br
core scala:  http://www.globalcode.com.br/treinamentos/cursos/core-scala

Comentários

Yara Senger disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Yara Senger disse…
Muito bacana este post!Parabens!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o