Pular para o conteúdo principal

O novo try no Java 7, por uma linguagem mais simples

O Java 7, lançado em Julho, além de reviver mudanças no Java também trouxe novas características afim de tornar a linguagem um pouco mais simples e menos verbosa, ou seja, as instruções podem ser escritas com um volume menor de código.

Nós da Globalcode adoramos novidades, ainda mais relacionada ao Java, usamos e incentivamos nossos alunos e clientes a experimentarem o Java 7. Nesse post vou comentar sobre as características do novo bloco try do Java.

Para começar, primeiro, vamos analisar uma demonstração simples de um programa Java que lê o conteúdo de arquivo texto linha a linha:
import java.io.*;

public class DemoTryAntigo {

  public static void main(String[] args) {
    FileReader in = null;
    BufferedReader buff = null;
        
    try {
      in = new FileReader("/home/yaw/teste.txt"); //caminho do arquivo
      buff = new BufferedReader(in, 1024);
            
      StringBuilder builder = new StringBuilder();
      String s = null;
      while ((s = buff.readLine()) != null) {
        builder.append(s).append("\n");
      }      
      System.out.println("Conteudo do arquivo:\n\n"+builder);
    } catch(IOException iox) {
      System.out.println("Falha ao ler arquivo: "+iox.getMessage());
    } finally {
      if (buff != null) {
        try {
          buff.close();
        } catch(IOException bufx) {
          System.out.println("Falha ao fechar buffer: "+bufx.getMessage());
        }
      }
      if (in != null) {
        try {
          in.close();
        } catch(IOException inx) {
          System.out.println("Falha ao fechar arquivo: "+inx.getMessage());
        }
      }
    }
  }

}

Nenhuma complexidade nesse exemplo, o ponto negativo é o excesso de código (linhas 22 a 35) no bloco finally necessário para liberar os recursos de I/O utilizados na leitura do arquivo. O programa escrito dessa forma compila e funciona no Java 7, mas a partir do Java 7 podemos tirar proveito do try-with-resources: um recurso é um objeto que deve ser encerrado quando o bloco try for concluído. Veja como ficaria o mesmo programa utilizando essa funcionalidade do Java 7:
import java.io.*;

public class DemoNovoTry {

  public static void main(String[] args) {
    try (FileReader in = new FileReader("/home/yaw/teste.txt");
         BufferedReader buff = new BufferedReader(in, 1024)) {

      StringBuilder builder = new StringBuilder();
      String s = null;
      while ((s = buff.readLine()) != null) {
        builder.append(s).append("\n");
      }
      System.out.println("Conteudo do arquivo:\n\n"+builder);
    } catch(IOException iox) {
      System.out.println("Falha ao ler arquivo: "+iox.getMessage());
    }
  }

}

O código ficou bem mais limpo! Uma regra importante sobre o try-with-resources é que o objeto (recurso) definido no try deve implementar ou interface java.lang.AutoCloseable (nova) ou java.io.Closeable, qualquer outro conteúdo o compilador não irá aceitar. No exemplo demonstrado ambas FileReader e BufferedReader implementam AutoCloseable, essa foi uma das mudanças na API de I/O ocorridas no Java7.

Na verdade, nos bastidores, o Java faz o trabalho “sujo” de implementar o bloco de finalização para garantir que os recursos sejam encerrados, omitindo o código aos programadores. O Java transforma cada recurso declarado no try em uma variável final e, define um bloco try-finally aninhado a declaração desse recurso. Outra característica importante é que em casos com mais de um recurso definido no try (o nosso exemplo cai nessa situação) o Java encerra os recursos na ordem inversa em que são definidos, garantindo que todos os recursos serão devidamente encerrados. A seguir o código que o compilador do Java 7 utiliza para gerar o byte code:
import java.io.*;

public class DemoNovoTry {

  public static void main(String[] args) {
    try {
      final FileReader in = new FileReader("/home/yaw/teste.txt");
      /*synthetic*/ Throwable primaryException0$ = null;
      try {
        final BufferedReader buff = new BufferedReader(in, 1024);
        /*synthetic*/ Throwable primaryException1$ = null;
        try {
          StringBuilder builder = new StringBuilder();
          String s = null;
          while ((s = buff.readLine()) != null) {
            builder.append(s).append("\n");
          }
          System.out.println("Conteudo do arquivo:\n\n" + builder);
        } catch (/*synthetic*/ final Throwable t$) {
          primaryException1$ = t$;
          throw t$;
        } finally {
          if (buff != null)
            if (primaryException1$ != null) 
              try {
                buff.close();
              } catch (Throwable x2) {
                primaryException1$.addSuppressed(x2);
              }
            else
              buff.close();
        }
      } catch (/*synthetic*/ final Throwable t$) {
        primaryException0$ = t$;
        throw t$;
      } finally {
        if (in != null) 
          if (primaryException0$ != null)
            try {
              in.close();
            } catch (Throwable x2) {
              primaryException0$.addSuppressed(x2);
            }
          else
            in.close();
      }
    } catch (IOException iox) {
      System.out.println("Falha ao ler arquivo: " + iox.getMessage());
    }
  }

}

Analisando cuidadosamente o código acima, é possível identificar as mudanças realizadas na estrutura de exceções do Java 7: o método addSuppressed na classe Throwable, que permite que uma exceção secundária seja vinculada a outra exceção primária. Veja o trecho com o finally do BufferedReader (linhas 22 a 32), ao fechar o buffer o programa verifica se existe alguma exceção gerada durante a leitura do buffer, dessa forma se ocorrer alguma exceção durante o close do buffer essa será vinculada a exceção primária lançada do try.

Outro método novo em Throwable é o getSuppressed, que retorna um array com exceções vinculadas a exceção principal, um novo construtor da classe também foi criado no Java 7.

A API do JDBC, versão 4, foi ajustada no Java 7 para respeitar o AutoCloseable. A seguir um programa Java abre uma conexão com uma base de dados MySQL e executa uma instrução SQL.
(Importante: ao testar garanta que o driver esteja configurado; o caminho, usuário e senha do banco de dados estejam corretos; e a existência da tabela clientes)

import java.sql.*;

public class DemoTryJDBC {

  public static void main(String[] args) throws SQLException, Exception {
     Class.forName("com.mysql.jdbc.Driver");
     String query = "select nome, cpf from clientes";
     String urlDB = "jdbc:mysql://localhost:3306/testdb";

     try (Connection con = DriverManager.getConnection(urlDB,"user","user");
       Statement stmt = con.createStatement();
       ResultSet rs = stmt.executeQuery(query)) {

       while (rs.next()) {
         String nome = rs.getString("nome");
         String cpf = rs.getString("cpf");
         
         System.out.printf("Nome:%s\t Cpf:%s %n", nome, cpf);
       }
     }
  }
    
}

Outra novidade do Java 7, ainda no escopo do bloco try, é a possibilidade de definir o mesmo tratamento de erro para diversos tipos de exceções utilizando o multicatch. O próximo o utilizo a API de reflexão do Java para criar uma String, veja que o catch determina o mesmo tratamento para as exceções: ClassNotFoundException, InstantiationException ou IllegalAccessException.
public class DemoMulticatch {
    
  public static void main(String[] args) {
    Object o = null;
    try {
      Class clazz = Class.forName("java.lang.String");
      o = clazz.newInstance();
      System.out.println(o.getClass());
    } catch (ClassNotFoundException | InstantiationException | IllegalAccessException ex) {
      System.err.println("Erro na criação do objeto: "+ex.getMessage());
    }
  }

}

Sobre o multicatch, uma regra importante é que o compilador não aceita a declaração utilizando exceções polimórficas, com relacionamento via herança. Por exemplo, não é permitido utilizar o tipo Exception dentro dessa instrução catch. Também não é permitido definir checked exceptions que não são lançadas dentro do try, no exemplo acima uma IOException não seria aceita dentro do catch. Para uncheked exceptions (Runtime) o compilador é flexível, seria permitido declarar uma NullPointerException naquele catch.

Durante o TDC2011 edição São Paulo e Florianópolis, falamos bastante sobre o Java 7! Na próxima edição, em Goiânia, não poderia ser diferente, no sábado (29/10) vai rolar a palestra Tirando proveito dos novos recursos do Java 7 na trilha Java.

O Java 7 disponibiliza outros recursos que deixam a linguagem mais sucinta, para saber mais sobre essas outras novidades ou características relacionadas acesse os links abaixo:

[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag


Comentários

Yara Senger disse…
Parabéns pelo artigo Eder! Que energia para fazer coisas, postar noticias, palestras! Show de bola!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o