Pular para o conteúdo principal

RichFaces 4: Bean Validation no lado cliente para campos na tela, simples e fácil

No TDC2011 (SP) além de me divertir e aprender bastante também apresentei, na trilha Java EE, a palestra: "RichFaces 4: Desenvolvimento Web com JSF2 mais rico". Iniciei a palestra comentando sobre as vantagens em adotar uma suíte de componentes UI (User Interface) terceira no desenvolvimento de aplicativos web com JavaServer Faces versão 2.

Mas o foco da palestra foi explorar os novos recursos do RichFaces 4, uma das mais famosas suítes para desenvolvimento JSF, a nova versão recentemente lançada completamente compatível com JSF 2.

Nesse post vou explorar um pouco mais algumas uma funcionalidades citadas na palestra: RichFaces Client Side Validation (CSV), a validação de campos do RichFaces 4 com Bean Validation. Mais uma vez utilizei nossa cobaia para experiências com JSF, o ScrumToys.

Bean Validation no lado cliente

O novo componente rich:validator, do RichFaces 4, pode ser vinculado a componentes inputs em uma tela para aplicar validações de acordo com as restrições definidas através das anotação do Bean Validation.

O Bean Validation é uma especificação Java EE 6 (JSR 303) que padroniza um mecanismo de validação, aplicado a objetos que seguem o modelo JavaBean, configurados a partir de anotações. Os containers que implementam o Java EE 6 utilizam um provider do Bean Validation, como o Hibernate Validator por exemplo. Mas nesse caso as validações são processadas pelo container, no lado servidor.

Com o rich:validator as validações do Bean Validation ocorrem no browser, no lado cliente. O código a seguir demonstra trechos da entidade Story, com as anotações demarcando validações que deverão ser aplicadas no cadastro da entidade. Nesse caso o nome não pode ser nulo, deve conter no mínimo 3 e no máximo 5 caracteres, enquanto a prioridade dever estar entre 1 e 5. Veja:

(Story.java)
//...
import javax.validation.constraints.NotNull;
import javax.validation.constraints.Size;
import javax.validation.constraints.Min;
import javax.validation.constraints.Max;

@Entity
//... definicao de tables e namedqueries da entidade
public class Story extends AbstractEntity implements Serializable {

    @NotNull
    @Size(min=3, max=60)
    @Column
    private String name;
    
    @Min(value=1)
    @Max(value=5)
    private int priority;

    //... outros atributos e os metodos da entidade
}

No próximo trecho de código o uso do rich:validator dentro os inputs das propriedades name e priority da entidade Story. Um detalhe importante para a validação funcionar corretamente é utilizar em conjunto o componente rich:message ou rich:messages, responsáveis por exibir na tela as mensagens caso a validação reclame:

(\story\create.xhtml)
<!DOCTYPE html PUBLIC "-//W3C//DTD XHTML 1.0 Strict//EN" 
"http://www.w3.org/TR/xhtml1/DTD/xhtml1-strict.dtd">

<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml"
      xmlns:ui="http://java.sun.com/jsf/facelets"
      xmlns:h="http://java.sun.com/jsf/html"
      xmlns:f="http://java.sun.com/jsf/core"
      xmlns:a4j="http://richfaces.org/a4j"
      xmlns:rich="http://richfaces.org/rich">
  <ui:composition template="/template.xhtml">
    ...
    <ui:define name="content">
      <h:form styleClass="scrumForm" id="createStoryForm">
        <h:panelGrid columns="3">
          <h:outputLabel value="Name:" for="itName"/>
          <h:inputText id="itName" 
             value="#{storyManager.currentStory.name}">
            <rich:validator />
          </h:inputText>
          <rich:message for="itName" styleClass="errorMessage"/>

          <h:outputLabel value="Priority:" for="itPriority"  />
          <h:inputText id="itPriority" 
             value="#{storyManager.currentStory.priority}">
            <rich:validator />
          </h:inputText>
          <rich:message for="itPriority" styleClass="errorMessage"/>
          ...
        </h:panelGrid>
      </h:form>
    </ui:define>
  </ui:composition>
</html>

Ao renderizar a página no browser, o código javascript gerado para a validação na camada cliente será parecido com o demonstrado a seguir (apliquei uma formatação básica pra melhorar a visualização):

(javascript gerado na tela de cadastro de uma nova Story)
function createStoryForm_3AitName_3Av(event,id,e,da){
  var p={da:da, 
       v:[{f:RichFaces.csv.validateSize,
           p:{"min":3,"max":60},
           m:{"detail":"size must be between 3 and 60",
              "severity":0,
              "summary":"size must be between 3 and 60"}},
          {f:RichFaces.csv.validateRequired,
           p:{},
           m:{"detail":"may not be null",
              "severity":0,
              "summary":"may not be null"}}]};
  RichFaces.csv.validate(event,id,e,p);
}

function createStoryForm_3AitPriority_3Av(event,id,e,da){
  var p={da:da,
       c:{f:RichFaces.csv.convertInteger,p:{},
          m:{"detail":"{2}: ''{0}'' must be a number between \u002D2147483648 and 2147483647 Example: {1}",
             "severity":0,
             "summary":"{2}: ''{0}'' must be a number consisting of one or more digits."} },
       v:[{f:RichFaces.csv.validateMin,
           p:{"value":1},
           m:{"detail":"must be greater than or equal to 1",
              "severity":0,
              "summary":"must be greater than or equal to 1"}},
          {f:RichFaces.csv.validateMax,p:{"value":5},
           m:{"detail":"must be less than or equal to 5",
              "severity":0,
              "summary":"must be less than or equal to 5"}}]};
  RichFaces.csv.validate(event,id,e,p);
}

$(document).ready(function() {
    new RichFaces.ui.Message("createStoryForm:j_idt68",
      {"forComponentId":"createStoryForm:itName",
       "showSummary":false,
       "showDetail":true} )
    new RichFaces.ui.Message("createStoryForm:j_idt74",
      {"forComponentId":"createStoryForm:itPriority",
       "showSummary":false,
       "showDetail":true})
});

Analisando o restante do html é possível identificar que as 2 funções javascript são associadas ao evento onchange dos 2 inputs. Esse é o comportamento padrão do rich:validator, mas é possível customizar outro evento através da propriedade event, por exemplo:

(\story\create.xhtml)
<!DOCTYPE html PUBLIC "-//W3C//DTD XHTML 1.0 Strict//EN" 
"http://www.w3.org/TR/xhtml1/DTD/xhtml1-strict.dtd">

<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml"
      xmlns:ui="http://java.sun.com/jsf/facelets"
      xmlns:h="http://java.sun.com/jsf/html"
      xmlns:f="http://java.sun.com/jsf/core"
      xmlns:a4j="http://richfaces.org/a4j"
      xmlns:rich="http://richfaces.org/rich">
    ...

    <h:outputLabel value="#{i18n['story.form.label.name']}:" for="itName"/>
    <h:inputText id="itName" 
       value="#{storyManager.currentStory.name}">
      <rich:validator event="keyup" />
    </h:inputText>
    <rich:message for="itName" styleClass="errorMessage"/>

    ...
</html>

Os validadores JSF, como por exemplo o f:validateRange, funcionam mesmo quando misturados ao mesmo input que usa o rich:validator, mas isso não é recomendado. Adotando Bean Validation a configuração para validar os dados de uma entidade pode ser reaproveitada em várias camadas do aplicação.

Caso não exista código lado cliente (javascript) registrado para uma determinada validação, o rich:validator executa a validação no lado servidor via Ajax (Ajax fall-backs). Outro exemplo do uso e mais detalhes sobre o rich:validator estam disponíveis na documentação do RichFaces 4.


Links complementares:

[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o