Pular para o conteúdo principal

JSF 2 - Composite Components, você não precisa mais ser um ninja

Estamos em uma nova era da computação, os dados não estão mais localizados em um banco dentro de sua empresa, vivemos a explosão de redes sociais, informações são geradas a todo instante, e se torna essencial que sua aplicação conheça os serviços disponíveis na web e consumam suas APIs geralmente disponíveis por serviços REST.

Legal, mas como ficam meus aplicativos Java EE neste novo cenário? Para quem vem acompanhando a evolução da plataforma, é notório que todo esforço vem sendo utilizado para aumentar a produtividade e a integração com novos serviços.
Basicamente duas especificações surgem com muita força para atender este cenário, a JSR - 314 (JSF-2) e JSR - 311 (JAX-RS), neste post exploraremos a JSR-314 (JSF2) e sua nova forma de criar Composite Components.

Uma das grandes queixas dos desenvolvedores JSF era a complexidade em criar composite components, era necessário um vasto conhecimento sobre o ciclo de vida de uma aplicação JSF.
Agora, você não precisa ser mais um “ninja” em JSF para ter seus components reutilizáveis. Sua distribuição também ficou bastante simples, basta apenas o seu componente estar localizado no web root da sua aplicação ou empacotado em um JAR.

Bem, vamos a um pouco de código.

* Para este exemplo estou utilizando NetBeans 6.8.1 com Glassfish V3


A ideia básica deste post é criar um componente de vídeo para ser utilizado em várias partes do nosso sistema.

Crie um novo projeto Arquivo -> Novo Projeto, escolha Java Web -> Aplicação Web, e pressione próximo.

Vamos chamar nosso projeto de Globalcoders - homenagem ao blog - pressione próximo novamente. Na próxima tela, escolha como servidor Glassfish V3 - ou outro de sua preferência - a versão do Java EE, selecione Java EE 6, pressione próximo.

Na próxima tela, o NetBeans irá perguntar quais os Frameworks que você deseja utilizar, selecione JavaServer Faces 2, clique em finalizar.
Agora no web root de nossa aplicação constitua um diretório de resources, aqui será a residência de nosso componente.

A especificação do JSF2, define que:

A ocorrência da String “http://java.sun.com/jsf/composite/” em uma declaração de namespace XML Facelet, tudo que estiver após a última “/” é considerado como sendo uma biblioteca de recurso.

Ou seja, crie uma pasta chamada videocomp, e dentro desta pasta criaremos um arquivo chamado video.xhtml.

Quando desejar utilizar este componente, deve colocar na declaração de namespace a seguinte String: “http://java.sun.com/jsf/composite/videocomp”.

A estrutura de nosso projeto ficará assim:

Pronto, agora que já temos a estrutura, codificaremos o nosso componente.

Utilizaremos os recursos do HTML5, a tag <video>, e chamadas assíncronas com novo componente de ajax do JSF2.

Veja o código abaixo:

<!DOCTYPE html PUBLIC "-//W3C//DTD XHTML 1.0 Strict//EN"
"http://www.w3.org/TR/xhtml1/DTD/xhtml1-strict.dtd">
<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml"
xmlns:cc="http://java.sun.com/jsf/composite"
xmlns:h="http://java.sun.com/jsf/html"
xmlns:f="http://java.sun.com/jsf/core">

<cc:interface>
<cc:attribute name="nomeBotao" />
<cc:attribute name="caminhoVideo" required="true" />
<cc:attribute name="alterarVideo" method-signature="void action()" />
</cc:interface>

<cc:implementation>
<h:form>
<h:panelGrid id="video">
<video controls="controls">
<source src="#{cc.attrs.caminhoVideo}" />
</video>
</h:panelGrid>

<h:commandButton value="#{cc.attrs.nomeBotao}" action="#{cc.attrs.alterarVideo}">
<f:ajax execute="@this" render="video" />
</h:commandButton>

</h:form>
</cc:implementation>
</html>
Como você pode ver, o código é bem simples. A primeira tag define quais as características do componente.

A segunda tag definimos como será a sua implementação.

Nela veja a tag <video> presente na nova especificação do HTML5, como ela podemos colocar vídeos em nossas páginas de forma muito fácil, outro novo elemento é a tag do JSF2, semelhantes as tags Ajax4jsf e Trinidad, minimizando a utilização de outros frameworks de terceiros.

Ela é responsável por disponibilizar a chamada ajax no CommandButton. A utilização desta tag é extremamente simples, basicamente temos dois atributos: o “execute”, responsável por enviar nossa requisição, e o “render”, onde informamos o que será renderizado novamente.

Pronto, temos nosso componente de vídeo simples.



<!DOCTYPE html PUBLIC "-//W3C//DTD XHTML 1.0 Strict//EN"
"http://www.w3.org/TR/xhtml1/DTD/xhtml1-strict.dtd">
<html xmlns="http://www.w3.org/1999/xhtml"
xmlns:video="http://java.sun.com/jsf/composite/videocomp">
<h:head>
<title>Globalcoders</title>
</h:head>
<h:body>

<video:video nomeBotao="Alterar Clipe"
caminhoVideo="#{videoControle.caminhoVideo}"
alterarVideo="#{videoControle.alterarVideo}"/>

</h:body>
</html>


Agora basta chamar o componente na index.xhtml ou qualquer outra página que desejar dentro de seu sistema.

Observe que na declaração do namespace, colocamos o nome do nosso diretório videocomp.

Outro ponto importante quando vamos utilizar o componente, informamos os parâmetros necessários para seu funcionamento, por exemplo, a action do botão.

O download do código fonte pode ser feito aqui

Até a próxima.

Raphael Adrien
http://twitter.com/raphaeladrien

Comentários

Bastante interessante, Raphael, até pra quem é mais leigo em JSF2.

Eu que não entendo tanto acho que consegui entender a idéia.

Mas nos browsers de hoje já da para conferir o resultado tranquilo?
Raphael disse…
Sim, basta seu browser dar suporte a tag video.
Vc pode verificar o suporte do seu browser neste site http://html5test.com/
Olá olá a todos!

JSF sempre me chamou a atenção.
Falta só estudar mais, mas logo chego lá ( será meu próximo ponto a ser estudado no mundo java hehe ).

Então, não tenho nada revolucionário a comentar, pela pouca experiência com JSF, masss como nosso amigo Marcelo Ricardo, pela forma que o Rapha mostrou, até pareceu ser uma coisa fácil hehehe.

Quais livros de JSF são indicados para estudo? ( pode ser em ingles... amazon ta ai pra dar um help =] )

Parabéns a todos pelo Blog, continuem postando sempre!!

Abração!
Raphael disse…
Lucas, existe bastante material de qualidade disponível na internet.
Dá uma olhada na lista de JSF Group (http://migre.me/41Lhu), e alguns blogs como do @rponte (http//rponte.com.br/).
Ainda temos tb os minicursos da iniciativa #open4education, especialmente este http://migre.me/41Luo que acontece com certa freqüência via webcast.
Mas já que você pediu um livro, veja este JavaServer Faces 2.0 - The Complete Reference (http://migre.me/41KJm) - @edburns e Chris Schalk
Vitor disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Vitor disse…
salve galera...
show de bola o post...

tenho um problema com o composite components que ainda não consegui resolver,
Raphael, pode me passar o email pra entrar em contato contigo??

tentei colocar o código aí no comentario mas não rolou por causa das tags...
Raphael disse…
Vitor, acabei de enviar um e-mail para vc. Manda lá sua dúvida.

[]`s
Glesio disse…
Rafael, estou tendo problemas com composite ao tentar ler um objeto managedbean e listener dentro do composite component.
Rodrigo Bento disse…
A idéia do JSF 2.0 + Facelets e composite components especificamente é muito bonita. Infelizmente há um número gritante de bugs que torna a utilização desse recurso praticamente impraticável. Por isso se você pegou a idéia mas não consegue fazer alguma coisa simples funcionar, tente dar uma olhada na lista de bugs. Já 'perdi' muito tempo com isso.
olá.
se eu acessar a url /resources/videocomp/video.xhtml e colocar para o navegador mostrar o codigo fonte da página, ele vai mostrar o código puro da página. tem como evitar isto ???
Pontin disse…
Olá Raphael...

Como você disse "Agora no web root de nossa aplicação constitua um diretório de resources, aqui será a residência de nosso componente.".

Só funciona dessa maneira o componente.
Mas gostaria de saber se tem como criar o componente em uma pasta fora do resources, e indicar ela como uma taglib?

Conhece alguma forma? Desde já agraeço.
Bruno disse…
Sim Pontin, use a tag ui:fragment do facelets, assim nao sera necessario estar dentro da pasta resources. porém é necesario criar o arquivo facelet-taglib.xml para referenciar sua nova tag.
Eduardo disse…
Raphael, muito obrigado pelo post, mas existe a possibilidade de nos repassar o código-fonte desse projeto, eu não estou conseguindo colocar pra rodar esse componente.
Obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o