Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

Vem vindo novidade por ai... Minicurso de desenvolvimento iOS

Ola pessoal, Depois de uma conversa com a Yara, resolvemos colocar em prática uma idéia que já tinhamos a um tempo, que é aumentar as opções de mobilidade no portifólio da Globalcode e também da iniciativa Open4Education. E nesse caso estamos falando de um minicurso sobre desenvolvimento para iPhone e iPad. O objetivo desse minicurso vai ser mostrar que desenvolver para iOS não é tão complicado como se pode pensar e que não é preciso ter medo do Objective-C ! Serão algumas horas onde os alunos poderão entender os fundamentos da plataforma, como funciona o programa para desenvolvedores da Apple, preparação do ambiente e dos devices de teste e também um overview dos layers de desenvolvimento do iOS. Além disso, o objetivo também vai ser passar um pouco da minha experiência na "migração" que fiz de Java (seja SE, ME ou Android) para o novo mundo do Objective-C e Cocoa Touch. O material está no começo e ainda não temos uma data certa (só sabemos que a primeira edição desse min

Referências de Design Patterns

Na semana passada ministrei o minicurso "Introdução a Design Patterns" na Globalcode e como alguns alunos me pediram referências, resolvi escrever em forma de post. Assim posso compartilhar com mais pessoas interessadas nesse assunto que volta e meia temos que lidar no trabalho. Quem perdeu o minicurso e quer saber um pouco mais antes de seguir neste post pode ler: - Blog: Design Patterns - Será que preciso aprender? - Entrevista: o que são, pra que servem e como usar Design Patterns. - Apresentação utilizada minicurs gratuito - Introdução a Design Patterns Aplicabilidade dos Design Patterns De maneira geral, os Design Patterns não estão relacionados diretamente a uma tecnologia, mas a problemas de orientação a objetos. Porém, o que percebemos ao longo do tempo é que as tecnologias (como o caso da plataforma Java e alguns frameworks) passam a incorporar os padrões de uso geral em suas estruturas internas e a oferecer seus próprios design patterns aos desenvolvedores.

Brasil e a força de trabalho: Futuro incerto

Mais de 70 mil brasileiros estariam empregados se tivessem formação em TI (...) Apesar do bom salário, este profissional tem se tornado artigo raro no Brasil, o que explica as vagas neste setor estarem entre as dez mais difíceis de serem preenchidas (...) MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) vai avaliar carência de profissionais de TI no país (...) O presidente do Confea admitiu, no entanto, que, no curto e no médio prazo, parte das vagas terá de ser ocupada por profissionais do exterior porque o país não terá como suprir as carências de imediato (...). Notícias como estas estão sendo veiculadas todo o tempo e há anos. Em novembro de 2010 postei em Globalcoder´s um artigo sobre esta mesma questão e, passados quase seis meses, parece-me que o cenário realmente mudou ... para pior. Assim como as notícias sobre este fato, temo também em tornar-me entediante com a minha abordagem insistente em destacar esta que considero uma verdadeira calamidade nac

A Hora do Planeta: Apague as Luzes e Ilumine essa Ideia!

A Hora do Planeta incentiva cidadãos, empresas e governos a apagarem as luzes por uma hora, uma vez ao ano, com o objetivo de conscientizar o planeta a lutar contra as alterações climáticas. O ato de apagar as luzes por uma hora é simbólico. Porém, pode representar um aumento da consciência de todos para um grave problema: as alterações climáticas. Apagar as Luzes: É se preocupar com o aquecimento global; É contribuir para a conscientização de mais pessoas; É conservar o ecossistema; É querer deixar um mundo melhor para nossos filhos, netos e próximas gerações; É incentivar o diálogo dos manifestantes entre si e entre esses e os governos e empresas; É criar responsabilidade sustentável nos cidadãos. Aqui na Globalcode não poderia ser diferente. Junte-se a nós nessa empreitada e participe você também. Torne-se parte desse processo de mudança, tomando atitudes concretas para o bem do planeta. Torne o seu cotidiano mais sustentável. Inscreva-se: A Hora d

JavaMail: Enviando e-mail com Java

Introdução Além da necessidade de envio de e-mail ser comum a várias aplicações, foi a pergunta de um aluno da Academia Java ,  “Como enviar um e-mail com Java?”, que me motivou a escrever este post sobre JavaMail. JavaMail Para realizar o envio de e-mail por meio de uma aplicação Java, precisamos da biblioteca JavaMail, pois ela não é incluída no Java SE. A biblioteca está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/index-138643.html . Neste download, além da biblioteca mail.jar que inclui a implementação completa da API e providers, também é disponibilizada a documentação da biblioteca ( javadoc ) na pasta docs , alguns exemplos na pasta demo e partes da implementação em lib . A forma mais simples de utilizar a JavaMail e incluir o mail.jar , porém para uma aplicação que só envia e-mail como o nosso exemplo, necessitamos apenas dos arquivos mailapi.jar e smtp.jar , economizando 177KB. Como a economia é pouca e as aplicações evoluem, vamos adicionar o mail.jar

JSF 2 - Composite Components, você não precisa mais ser um ninja

Estamos em uma nova era da computação, os dados não estão mais localizados em um banco dentro de sua empresa, vivemos a explosão de redes sociais, informações são geradas a todo instante, e se torna essencial que sua aplicação conheça os serviços disponíveis na web e consumam suas APIs geralmente disponíveis por serviços REST. Legal, mas como ficam meus aplicativos Java EE neste novo cenário? Para quem vem acompanhando a evolução da plataforma, é notório que todo esforço vem sendo utilizado para aumentar a produtividade e a integração com novos serviços. Basicamente duas especificações surgem com muita força para atender este cenário, a JSR - 314 (JSF-2) e JSR - 311 (JAX-RS), neste post exploraremos a JSR-314 (JSF2) e sua nova forma de criar Composite Components. Uma das grandes queixas dos desenvolvedores JSF era a complexidade em criar composite components, era necessário um vasto conhecimento sobre o ciclo de vida de uma aplicação JSF. Agora, você não precisa ser mais um “ninja” em