Pular para o conteúdo principal

Introdução a jQuery - parte 2

Esta é a segunda parte da Introdução a jQuery. No post anterior eu mostrei um exemplo e agora vou dar um pouco mais de detalhes.
Para começar, vou explicar os conceitos da filosofia do jQuery e depois falarei sobre seletores.

Conceitos da filosofia do jQuery

1. Encontrar alguns elementos, através de seletores CSS, e fazer alguma coisa com eles usando métodos jQuery
Ou seja, localizar os elementos na árvore DOM para depois manipulá-los de alguma forma.
Para isso usamos $(seletor) ou jquery(seletor), que retorna um objeto Javascript especial contendo um array de elementos DOM que satisfazem o seletor.
Por exemplo, para selecionar todos os links que estão dentro de um parágrafo, é só fazer:
$("p a");

2. Encadear múltiplos métodos jQuery num conjunto de elementos
Todos os elementos selecionados antes de um método jQuery ser aplicado sempre são retornados de modo que a cadeia continue, permitindo menor uso de memória e uma melhoria na performance.
Com isso podemos fazer algo do tipo:
$('div').hide().text('novo texto').addClass("atualizado").show();
Neste caso, primeiro são selecionados todos os divs da página, daí todos eles são escondidos, depois muda-se o texto de todos eles, em seguida uma classe CSS é acrescentada e por último os divs são mostrados novamente.

3. Usar wrappers jQuery e iterações implícitas
Aproveitando o item anterior, este tipo de construção se chama wrapper porque engloba os elementos selecionados com funcionalidade estendida. Quero dizer que qualquer operação feita no objeto retornado será feita em cada um dos elementos, ou seja, há uma iteração implícita aí.
Quando escrevemos:
$('div').hide();
O método hide() será aplicado em cada um dos elementos div retornados em $('div');

Viu que maravilha? Com uma linha de código o jQuery substitui várias linhas que usamos para escrever JavaScript puro!

Como incluir um código jQuery numa página (X)HTML

Você pode baixar o jQuery do site jquery.com e colocar no seu servidor ou então usar uma versão hospedada no CDN (content distribution network) do Google, que é o que eu fiz no meu exemplo da parte 1, veja a linha 42 da listagem onde eu coloquei o seguinte:
<script type="text/JavaScript" src="http://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.4/jquery.min.js"></script>

Depois é só colocar o seu código dentro das tags script:
<script>
// seu código jQuery vai aqui
</script>


Normalmente estes trechos de código são colocados na seção de cabeçalho do arquivo HTML, ou seja, entre as tags <head> e </head>, porém, na maioria dos casos aconselha-se a colocar no final do corpo antes da tag </body> para melhorar o carregamento da página.

Seletores

Com o uso de CSS no desenvolvimento de páginas web, podemos separar o que é informação de estilo do que é estrutura do documento. E esta separação facilita não só o manuseio e entendimento mas também quando precisamos mudar muito a cara de uma página e para isso trocamos as folhas de estilo simplesmente.
Como princípio, o jQuery é focado em recuperar elementos das páginas HTML e executar operações neles. E para isso, faz uso de seletores CSS, que descrevem grupos de elementos através de seus atributos ou localização no documento.
jQuery usa a sintaxe do CSS e a extende com alguns métodos customizados para selecionar elementos que nos ajudem a executar tarefas simples e também as complexas.

Alguns exemplos de seletores básicos:
  • div - todos os blocos de elementos div
  • #quadro1 - elementos que contenham o atributo id com o nome "quadro1"
  • .quadro - elementos que tenham o atributo class "quadro"
  • div.quadro - elementos que tenham o atributo class "quadro"
  • div#quadro1 img - elemento img declarado dentro de um elemento div que tenha o atributo id "quadro1"

Para usar num código jQuery, é só colocar dentro de $( );, como nestes exemplos abaixo:
  • $("div.quadro");
  • $("div#quadro1 img");

Outros seletores avançados:
  • $("div#quadro1 > div"); - seleciona elementos div que sejam filhos diretos do div com id igual a quadro1
  • $("input[type=text]"); - seleciona elementos input cujo atributo type seja igual a text
  • $("a[href$=.pdf]"); - seleciona elementos com atributo href que terminam com .pdf
  • $("li:has(a)"); - seleciona elementos li somente se este contiver um elemento a
  • $("p:odd"); - seleciona elementos p ímpares
  • $("p:even"); - seleciona elementos p pares

Isso só para dar uma pequena amostra. Para saber mais consulte algum tutorial ou livro sobre CSS para mais informação.
Eu gosto muito do livro CSS the missing manual, de David MacFarland, O'Reilly.

Métodos

O jQuery tem vários métodos prontos na sua API. Sua documentação é muito boa, por isso vou listar somente alguns deles aqui como ilustração:
  • .hide() - os elementos do conjunto selecionado serão escondidos imediatamente, sem animação: $(".quadro").hide();
  • .show() - os elementos do conjunto selecionado serão mostrados imediatamente, sem animação: $(".quadro").show();
  • .size() - retorna o número de elementos do conjunto selecionado: $("div").size();
  • .get(index) - retorna o elemento conforme o index informado ou todos caso não tenha sido passado nenhum parâmetro: $("img").get(0); - seleciona a primeira imagem
  • .addClass(name) - adiciona a classe informada em todos os elementos do conjunto selecionado
  • .css(name,value) - atribui o valor "value" a uma propriedade de estilo de nome "name": $("div").css("width",300");
  • .css(name) - retorna o valor da propriedade de estilo que tem o nome igual a "name"

Sobre jQuery, ainda tem muita coisa além disso e que daria muitas páginas mais, tais como:
  • funções utilitárias
  • eventos
  • extendendo jQuery
  • plugins para jQuery
  • usando Ajax

Bom, espero que esta introdução que escrevi aqui nestas 2 partes tenha sido de algum valor para quem está iniciando e que também tenha sido uma motivação para procurar saber mais sobre jQuery.

[]s

Ana
Twitter: @anabrant
http://blog.globalcode.com.br/search/label/ANA ABRANTES

Comentários

duboris disse…
Ana,

Parabéns pelo Post.
Já utilizei JQuery, mas nunca tinha parado para entendê-lo e agora consegui entender bem o conceito.

Sds.

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o