Pular para o conteúdo principal

Vamos falar de Android...

Nessa minha primeira aparição aqui no blog da Globalcode, vou falar de um assunto que vem sendo tópico frequente nos Twitters da equipe da GC e também de alguns amigos, o Google Android.

Um pouco de história...
Como já faz parte da estratégia conhecida do Google, em 2005 comprou uma start-up chamada Android e que estava trabalhando em uma distribuição de Linux (baseado no kernel 2.6) voltada para smartphones com o mesmo nome da empresa.
Após essa compra muito se especulou e em 2007 os rumores foram confirmados com o anúncio do Google sobre a criação da Open Handset Alliance e os esforços para a solidificação da plataforma Android.
A partir disso, muito se falou e muitos desenvolvedores (eu inclusive) não acreditavam que o Google teria força para entrar na briga com as fabricantes e operadoras. Mas então, a Nokia anunciou a compra de toda a Symbian Foundation, que controlava o desenvolvimento da plataforma Symbian, base de seus Smartphones da S60 (como por exemplo o N95, 5800, N97 e muitos outros) e base de outras fabricantes como Samsung e SonyEricsson.
Com isso, e também com a Apple mordendo uma fatia cada vez maior do mercado com o iPhone, não restou muitas opções a fabricantes como HTC, Motorola, Samsung e SonyEricsson a não ser se juntar ao Google e então, não demorou muito e os primeiros dispositivos foram sendo anunciados.

O valor do software
E seguindo os passos da Apple que mostrou às outras fabricantes que o valor da mobilidade não está no dispositivo mas sim nos softwares e serviços que o acompanham, o Google apostou na criação do Market, a loja de aplicativos para os celulares com Android.
Dessa forma, o usuário pode escolher entre mais de 27 mil aplicativos (e esse número vem crescendo assustadoramente) para personalizar seu celular e assim deixar com as funcionalidades que mais precisa no dia-a-dia, ou simplesmente aumentando o poder de "possibilidades" de uso do seu telefone celular!

E eu com isso?

Bom, se você é um desenvolvedor "convencional", já conhece Java e está querendo entrar no mercado de mobilidade, o Android assim como o Java ME são os melhores caminhos. Mas, a vantagem do Android é que você pode gerar renda mais facilmente, comercializando seus aplicativos através do Market.
Por enquanto, no Brasil é possível apenas a publicação e download de aplicativos gratuitos. Mas há diversas formas de alternativa, como uso de Paypal ou PagSeguro e vender "licença" da sua aplicação. E além disso, você pode encarar que a publicação bem sucedida de uma aplicação gratuita pode de gerar renda de outras formas, como reconhecimento, ofertas de trabalho, e etc.

Android não é Java, mas é Java ;-)
Pode parecer estranha a frase acima, mas o que quero dizer é que oficialmente, o bytecode gerado não é equivalente a Java, pois sua aplicação é transformada em um arquivo com extensão apk que é interpretado pela máquina virtual do Android chamada Dalvik. Porém, a sintaxe e toda a plataforma de desenvolvimento é exatamente igual ao Java que você já deve estar acostumado.
Então, lhe asseguro que se você já tem conhecimento Java, será muito tranquilo a sua entrada no mundo da mobilidade desenvolvendo para Android. É claro que você poderá mudar um pouco a forma de pensar e até de programar em alguns momentos, mas a adaptação acontecerá sem traumas!


Onde aprender?
Como vocês já devem estar sabendo, a Globalcode está com iniciativas cada vez mais fortes no mundo da mobilidade, e começamos isso com um minicurso de desenvolvimento móvel que já foi apresentado por mim (Neto Marin) no mês passado e que teremos novamente no dia 17 de abril (sábado) das 10 às 13 na GC em São Paulo.

E ainda mais especificamente sobre Android, estamos apresentando ao mercado o Hands-on de Android que será realizado no dia 24 de Abril (sábado) das 10 às 19 na unidade da GC em São Paulo. Serão 8 horas intensas onde irei apresentar a plataforma, SDK, ambiente de desenvolvimento, criação de aplicações com diversos recursos da plataforma e também como publicar sua aplicação no Market.

Quer saber mais?
Temos diversos portais na Internet,e inclusive o Android Brasil que além do site, mantém também o grupo de discussão no Google Groups. E é claro, o site do desenvolvedor Android do próprio Google é uma excelente fonte de material, exemplos e API.
E além disso, esse post foi apenas o primeiro de uma série onde pretendo dividir com vocês semanalmente, minhas experiências, dicas e comentários sobre essa plataforma que deixou de ser uma promessa para ser um novo player no mercado.

Abraços a todos.
Neto Marin

Comentários

Werner Denzin disse…
Parábens, Neto e Globalcode!

De fato, é uma realidade no mercado mundial que nos aproxima de um novo aprendizado (API e ciclos de vida) e que infelizmente, distancia-nos do nosso tão querido e velho amigo, JME! É de cortar o coração... Mas, o movimento é inevitável.

[]s, Werner
Julio Viegas disse…
Parabens pelo post Neto! Seu futuro aluno aqui vai estar no curso de android, no dia 24 proximo. :)
Anônimo disse…
Parabéns. Simples e direto.
Paulo Jr. disse…
Excelente, gostaria de estar presente nesse curso e poder participar.. seria excepcional.
Lais Zanfolim disse…
Bom.. adorei o post!
Minha opnião é que realmente vale a pena investir no Android.
Tem Java ME, QT e por ai vai.. mas uma coisa parece certa.. faltar mercado para o Android é que não vai, rs.
Aguardo os próximos posts.
Muito legal.
Vou começar a mexer com esse tal de android. Esse post me deu um incentivo a mais.
Valeu

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o