Pular para o conteúdo principal

Java no mundo das Telecomunicações

Este é meu primeiro post aqui no blog e gostaria de dizer que estou muito feliz em também poder contribuir com esta grande (e crescente) família Globalcode.

Vou começar escrevendo aqui sobre um tópico pouco explorado no universo Java: o seu uso no mundo das telecomunicações.

Vários de vocês podem ter trabalhado em projetos para empresas de telecom utilizando a tecnologia Java. Eu mesmo já participei de alguns, implantando sistemas de tarifação, faturamento, CRM e cobrança. Mas o objetivo deste post é um pouco diferente: estou falando do uso de Java na própria rede de telecom. Como vocês podem imaginar, esta rede que permite que ligações telefônicas sejam feitas de seu celular ou aparelho fixo é um tanto quanto complexa, lidando com aspectos como roteamento, bilhetagem, roaming, etc. E o Java está presente neste cenário também.

Para provar que não estou mentindo, abram o site do JCP e cliquem no link "JSRs by Technology". Observem que uma das categorias lista é a JAIN (Java APIs for Integrated Networks). São 22 JSRs voltadas para a criação de APIs, focadas em protocolos e arquitetura de redes convergentes.

Para entendermos direito do que se trata e o enorme potencial de aplicações que isto traz, vou dividir este post em algumas partes:
  1. Introdução às Redes Convergentes/IMS
  2. VoIP/SIP
  3. SIP Servlets
  4. JAIN SLEE
Vamos começar contando (de forma mega simplificada) o cenário atual das redes de telecomunicações. Nas próximas semanas pretendo falar sobre VoIP/SIP e o uso prático de Java nestes cenários.

Redes de Telecomunicações
Atualmente, nos conectamos um ao outro através de três redes principais:
  • Internet - rede baseada em pacotes e nos protocolos TCP/IP, que permite o uso de uma infinidade de serviços, como a Web, IM, e-mail, etc.
  • Rede Celular - rede de telecomunicações baseada em circuito (2G) ou em pacotes (3G) que basicamente possibilita o estabelecimento de chamadas de voz. Sua principal característica é a onipresença.
  • Rede Fixa - primeira a surgir, é uma rede de telecomunicações baseada em circuito. É o telefone fixo das nossas casas, cada vez mais em desuso.
Notem: são três redes diferentes, todas com o mesmo intuito de facilitar a comunicação entre pessoas e prover serviços para os seus usuários. Parece um pouco redundante, não? Vamos olhar o conceito de NGN.

Next-Generation Networks (NGN) é um termo amplo, utilizado para descrever um conjunto de evoluções arquiteturais nas redes de fixa/celular, cujo objetivo primordial é convergir todas as redes em apenas uma. Esta nova rede será baseada em pacotes (mais especificamente no protocolo IP) e será utilizada para transportar todas as informações e serviços (Wikipedia). Em outras palavras: é utilizar a internet para os serviços que as redes de telecom hoje nos provem, sem perder a mobilidade e a onipresença das redes celulares. Um outro ponto importante para nós é que nas NGNs define-se uma arquitetura unificada para a implementação e disponibilização de serviços, independente de camada de transporte, que poder ser acessada de qualquer dispositivo / lugar (opa, isto parece ter muito a ver com desenvolvedores...)

Algumas dúvidas comuns:
  • Eu uso a linha do meu telefone fixo para se conectar à Internet! Isto não significa que meu telefone já está na "Internet"?
A resposta é não. Você utiliza o meio físico do seu telefone fixo para acessar a Internet. A internet é uma infraestrutura de certa forma "paralela" à rede fixa. Semelhantemente, quando você acessa a Internet através de seu celular, você está utilizando o meio físico para se conectar. São redes diferentes, o que requisita manutenção dobrada e conversões entre os domínios (feitas pelos chamados "gateways").
  • O que eu (e o mundo) ganha unificando as redes?
Muitas coisas:
  • Uma rede única baseada em pacotes (que tende a fazer um melhor uso de banda que redes baseadas em circuitos).
  • Acesso unificado e integrado aos serviços. Alguns exemplos: acesso à caixa postal do telefone pela Web, confirmação de transação eletrônica via telefone, videoconferência entre dispositivos diversos, etc
  • Independência de dispositivo e de localidade. Assim, você liga para wilson at globalcode.com.br, não para um número de celular ou telefone fixo. Em qualquer lugar do planeta você recebe uma ligação como se fosse local.
  • Tarifação diferenciada. Acessar a Internet pelo celular me parece um pouco caro hoje, assim como ligações de longa distância.
E o que um desenvolvedor Java ganha com este movimento?
  • Nova gama de serviços (já pensou em implementar uma central de atendimento a la Call Centers em Java?)
  • Desenvolvimento de serviços unificados e de amplo alcance (TODOS poderão utilizá-lo)
  • Desenvolvimento de nós do core da rede (duvida? Veja o projeto Sailfin).
Como me disseram uma vez, os desenvolvedores de software começam a fazer parte da rede de telecom. Agora ela fala a nossa língua (IP? :)).

Um lembrete importante: NGN é um conceito arquitetural/comercial. Em termos práticos, existe uma especificação de uma rede baseada nestes conceitos chamada de IMS (IP Multimedia Subsystem). Esta especificação é mantida pelo 3GPP, que entre outras responsabilidade mantem tudo que é relacionada a GSM.

Obviamente esta evolução será longa e díficil. Existem dificuldades enormes em se trocar o core de uma rede telecom, além de óbvios interesses comerciais das operadoras de explorarem a infra-estrutura já existente.

Além destas mudanças de infra-estrutura, uma outra mudança necessária é de que nossas conversas terão que ser transportadas via Internet. Assim, os protocolos de VoIP (Voice over IP) começam a ganhar cada vez mais importância. Falo sobre eles em seguida ...

Até breve!

Wilson

Comentários

Wilson Parabéns pelo belo post.

Legal ver mais gente falando de Java sendo utilizado no core de redes de Telecom, eu e algums amigos de trabalho da Voice Technology mantemos um blog voltado para a área de TI e Telecom chamado ensinar (http://ensinar.wordpress.com) e estamos no meio de uma série de posts sobre este assunto, mas nós focamos em falar sobre o Mobicents pois ele é o servidor de aplicação mais completo para a àrea de Telecom, ele não suporta apenas SIP como o Sailfin, mas também suporta protocolos core de rede NGN como MGCP, ISUP, Camel, Diameter, etc.

Abraços,

Antonio Anderson Souza
Yara Senger disse…
Wilson, adorei seu post. Estamos esperando mais... se quiser ministrar um minicurso gratuito presencial, remoto, em SP ou Campinas será muito bem vindo!

Pessoal da Voice Tecnology, se quiserem participar da Open4Education também são muito bem vindos. O Edgar já falou um pouco (informalmente) sobre Mobicents, e com certeza será produtivo para a comunidade.

A auditório está aberto, a Globalcode é Open4Education. :)
Reinaldo disse…
Olá Wilson, gostei muito do seu comentário também. Você saiu do convencional e o assunto que voce abordou interessou-me muito. Sou desenvolvedor de soluções em C. Trabalho justamente nesse ramo, de roteamento, só que na área de transações eletrônicas. Confesso que até ler o seu POST, eu tinha um certo preconceito de JAVA. Acho que o seu POST está clareando as minhas idéias... por favor continue!
Caso você precise de celular Sony, acesse o fórum que fala sobre celulares Sony e celulares espiões. Os temidos celulares da atualidade que gravam todas as ligações.Tem link também para celulares da Nokia, Motorola, Samsung, LG. Dicas toques e muito mais.
Unknown disse…
Seria muito bom se tivesse um curso de jain-sip e sip-servlet pra São Paulo seria um sucesso , poderia até trabalhar com server reais vono , que é gratis por 30 dias e tem um numero pra receber por 30 dias de teste (Não propaganda é um recurso que se tivesse em curso teria a implementação na pratica)
Ótimo artigo, realmente existe um convergência entre Java e Telecom, mas nem sempre estamos atento ao tema.

Abraços,
Ranieri Marinho de Souza
http://blog.segr.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o