Pular para o conteúdo principal

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral.

Mercado de trabalho para programação
Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias.
Algumas matérias interessantes:
As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now!
Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia
Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores.

Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou motivando a criação de um treinamento específico para esse público - a Academia do Programador. Para ingressar nesse mundo do desenvolvimento, o profissional precisa entender conceitos básicos, a começar pelo que é um software, uma linguagem de programação, lógica de programação, etc.

O que são e para que servem as linguagens de programação?
O computador é uma ferramenta prática e acessível, mas para que o mesmo funcione, é necessário que existam os programas de computador (também chamados de softwares ou de sistemas computacionais).
Os programas são sequências de instruções com o detalhamento passo a passo do que o computador deve fazer para desempenhar uma tarefa. Por exemplo, se o programa deve somar dois valores, as instruções são: pegar valor1, pegar valor2 e somar valor1 com valor2 e armazenar na variável resultado.

Para que o computador possa interpretar e produzir o resultado esperado, essas instruções precisam ser escritas em uma linguagem que o computador entende. Essa linguagem é chamada código de máquina (ou linguagem de máquina) e é baseada na menor unidade de informação que o computador pode trabalhar que é o bit.

Apesar de ser a linguagem que o computador entende, o código de máquina é específico para cada sistema operacional (Windows, Linux, MacOS, etc) e muito distante da linguagem humana, o que o torna de difícil utilização para o desenvolvimento de software. Por isso foram criadas as linguagens de programação.

As linguagens de programação funcionam como um meio termo entre o que o computador entende e o que é mais fácil para o ser humano escrever. O programador usa a linguagem de programação (seguindo suas regras de sintaxe) para escrever as instruções do programa numa forma muito mais natural. Depois, esse programa é passado por um tradutor, chamado compilador ou interpretador (dependendo da linguagem de programação utilizada), que traduz as instruções do programa para o código de máquina apropriado, fazendo com que o computador as entenda e execute. Alguns exemplos de linguagens de programação incluem Assembly (a primeira), C, C++, Pascal, Clipper, Java, C#, Ruby, Python, Groovy, entre várias outras.

Quanto mais nova a linguagem, como é o caso de Java, mais alto nível ela é, ou seja, mais fácil de escrever os programas devido às instruções simplificadas.

Para escrever um programa de computador usando uma linguagem de programação, ainda é necessário usar lógica de programação.

O que é lógica de programação?
A lógica, ou pensamento lógico, é algo que faz parte do dia a dia de todos nós. Quando vamos atravessar a rua, tomar banho, trocar um pneu, por exemplo, executamos uma sequência de ações que nos permitem alcançar nosso objetivo final.

Essa sequência de ações, conectada por meio de estruturas de controle como se, então, senão, caso, enquanto, para, entre outras, define uma lógica de realização da atividade planejada.

Esse mesmo raciocínio lógico é trazido para a área de computação para permitir que o pensamento humano seja traduzido em ações que o computador pode executar. No desenvolvimento de software, o raciocínio lógico que usamos para criar os programas é chamado de lógica de programação.

Assim como no nosso dia-a-dia, na lógica de programação organizamos as instruções do programa usando estruturas de controle chamadas de condicionais (como if , else, switch) e repetições (como while, do/while, for). Além disso, nos sistemas computacionais também usamos instruções para entrada/saida de dados que permitem ao usuário entrar com as informações a serem processadas pelo programa e ver o resultado do processamento.

Procedimentos e funções
Ainda na criação da lógica de um programa, é provável que queiramos reaproveitar algumas sequências de instruções. Para isso, podemos criar pequenos trechos isolados de instruções chamados de procedimentos e funções (ou métodos em linguagens orientadas a objetos, como Java). Os procedimentos e funções agrupam instruções que podem ser reutilizadas no fluxo principal do programa ou dentro de outros procedimentos e funções. Eles podem receber parâmetros para guiar a lógica interna e retornar valores para serem utilizados em outros pontos do programa.

Em geral, os programas processam informações (dados) que ficam armazenadas temporariamente na memória do computador por meio das chamadas variáveis. Porém, quando o programa termina sua execução, se esses dados não forem persistidas, eles serão perdidos. Daí a necessidade de utilizarmos um banco de dados.

Mas, o que são banco de dados ?
Um banco de dados guarda dados de um programa de forma permanente, ou seja, antes de terminar a execução do programa, podemos guardar os dados em um banco de dados para acessá-los posteriormente, até mesmo em outras execuções do mesmo programa. Os bancos de dados são mantidos por programas chamados SGBDs (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados). Para interagir com um SGBD, precisamos usar uma linguagem de consulta específica chamada de SQL (Structured Query Language).

Conclusão e recomendações
Bom, isso é um resumo de alguns dos principais conceitos relacionados à área de desenvolvimento de software. A dica para quem deseja seguir nessa profissão é estudar mais profundamente esses assuntos além de outros aspectos como redes, bits e bytes, ferramentas de desenvolvimento, antes mesmo de conhecer a fundo uma linguagem de programação. Por isso, procurei deixar alguns links falando um pouco mais sobre esses conceitos.

Para quem tiver interesse em algo mais centralizado, a Academia do Programador da Globalcode é um treinamento que trata de todos esses assuntos de forma bem detalhada. Esses conhecimentos são imprescindíveis para quem pretende cursar um treinamento de linguagem Java.

Elaine Quintino Silva
http://twitter.com/elaineqsilva
http://www.globalcode.com.br/instrutores/ElaineSilva

Comentários

Jamerson disse…
Ano que vem vou fazer análise e desenvolvimento de sistemas. E esse artigo me ajudou muito!
Obgd vou dar mais uma olhada no blog!
Jamerson disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse…
Olá Jamerson, tudo bem?
Meu nome é Thiago Rodrigues e trabalho na Globalcode. Vi que leu nosso artigo no blog, o que achou? Interessante né?! Temos diversos curso pra quem quer começar a programar, mas nunca programou nada na vida! Se quiser, posso te dar mais detalhes, é só me passar seu contato ou me envie um e-mail que eu te passo mais informações, ok?

Thiago Rodrigues
thiago@globalcode.com.br
(11)3145-2230
Unknown disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
PEDRO disse…
MUITO BOM O TRABALHO QUE FIZESTE NA GLOBALCODERS
Unknown disse…
Olá li o artigo e gostei. Quero aprender programação o que fasso
Meu email é alexandre.elis@hotmail.com
Obg
Unknown disse…
Olá li o artigo e gostei. Quero aprender programação o que fasso
Meu email é alexandre.elis@hotmail.com
Obg

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o