Pular para o conteúdo principal

Desenvolvimento Softwares Vs. Construção Civil

Eu sei que a metáfora da construção civil tem sido utilizada para referenciar modelos mais rígidos, porém, analisando de um novo ponto de vista, o de um pedreiro, eu vejo uma analogia interessante. 

Já são conhecidas as inúmeras comparações entre "engenharia" de software e engenharia civil: pilares da arquitetura Java EE, diagramas como planta e código como a casa construida, a função de arquiteto, engenheiro e a famosa frase que o programador é o pedreiro do software... Tudo isso nos perseguiu muito nos últimos 20 anos e muitos dos profissionais de T.I. não gostam dessas comparações.

O fato é que influenciado por tais comparações, há exatamente 9 anos atraz quando tinhamos uma equipe enxuta e dinâmica de desenvolvimento, eu costumava dizer: "Vamos fazer uma imersão em uma obra e entender quais são as razões de uma casa ser levantada aparentemente com menor esforço organizacional e corportativo que um software". Nunca fizemos.

Porém refletindo recentemente achei que isso vem mais ainda a tona com toda a onda de metodologias ágeis e resolvi escrever mais uma paródia:

"Certa vez um experiente desenvolvedor de softwares tirou férias para reformar sua casa de praia. Sendo sua personalidade um mashup de geek com work-a-holic, não parava de pensar em métodos de construção de softwares, afinal de contas aquele cenário de reforma era bastante sugestivo.

Neste dia a obra seria iniciada e tal desenvolvedor já havia passado as principais especificações da reforma: abrir uma nova porta de passagem, pintar, reformar madeiras e colocar piso em uma nova área.

Preocupou-se o dono da casa com o fato do orçamente ter tido como base tão poucas especificações: ninguém perguntou a cor da tinta a ser usada, ninguém perguntou se o piso seria simples ou porcelanato, mas enfim, o valor era justo.

As 8:00 chegou a equipe pronta para trabalhar, e o "pedreiro mais experiente", reuniu todos rapidamente (e em pé), e definiou como seria o andamento da obra naquela semana e quais seriam os principais objetivos.

Em 15 minutos todos estavam trabalhando.

E o dono da casa continuou a observar o trabalho de pessoal, em especial chamou a atenção que a quebradeira para abrir a nova porta estava sendo feita por dois pedreiros que se revezavam.

Religiosamente eles pararam de trabalhar as 17:00 horas.

Algumas dúvidas surgiram no dia seguinte, mas como o proprietário estava sempre lá, rapidamente puderem resolve-las.

E assim a obra foi seguindo até sua conclusão em 3 semanas: toda semana definiam o que seria feito, no término da semana eles faziam um pequeno churrasco na sexta depois do expediente, trabalhos pesados ou complexos eram feitos em duplas sempre, não havia alguém que simplesmente coordenasse tal processo. Tinha sim um pedreiro "master" que era um líder nato e carismático.

O desenvolvedor de softwares e dono da casa ficou satisfeito com o resultado apesar dos pequenos desvios (que alguns ele mesmo causou) e também uma diferença no valor cobrado pelos serviços.

Depois de 3 semanas cuidando da obra, quando voltou para sua empresa na semana seguinte ele estabeleceu novas regras:

• Vamos fazer uma reunião no começo da semana para definir as funcionalidades que queremos prontas no final dela;
• Se atingirmos esta meta, vamos fazer um churrasco, opa, na av. Paulista não rola. Vamos tomar sorvete por conta da empresa.
• Todo software complexo será programado por dois;
• Teremos um desenvolvedores mais experiente e com mais espirito de liderança que conduzirá a equipe
• O cliente deverá sempre estar disponível para tirar nossa dúvidas
• Todos trabalharão apenas 8 horas por dia

E para finalizar ele refletiu: se isso der certo, vou ter que dar um nome.

FIM.

Vinicius
http://twitter.com/vsenger
http://program-me.ning.com
http://www.eletronlivre.com.br

Comentários

Dr. Spock disse…
Será que os design patterns, como sugerido pelo Christopher Alexander (http://bit.ly/9nB5s2), foram aplicados? rsrs
irado disse…
isso lembrou-me de 15 anos atrás, quando eu comandava pequeno grupo encarregado da administração de redes de uma corporação hoje extinta (a bolha ponto.com acabou com ela).

fazíamos reuniões às quartas, pela manhã, uma hora para que cada um soubesse O QUE fazer, PORQUE FAZER, quais os recursos e nosso 'dead-line'. Funcionava muito bem, mas gerentes são gerentes.. o nosso achava que aquela hora era completo desperdício de tempo que poderiamos empregar melhor "trabalhando, como todo mundo".

Era MUITO produtivo.. mas sabe como é, não aparecia como construir uma parede ou abrir uma porta.
Anônimo disse…
essas comparações com outras engs é um enrosco... claro, um prédio é um produto de natureza praticamente idêntica ao software.

o q certamente seria mais assertivo, seria termos construtoras de software, ao invés de termos fábricas de software. Isso muda td; alguêm aqui já conseguiu ver ao menos uma sombra de um software sendo produzido em linha de produção? sendo fabricado tal como um carro ou um laptop...
Unknown disse…
Eu concordo, fábrica de software é o pior dos termos. A questão é que construir uma casa ou reformar tem muitas semelhanças com o desenvolvimento de software. A palavra construção cabe bem em ambas as áreas, mas de fato, fabricar software só se for naquelas épocas de Brasoftware onde eu comprei meu compilador Borland C++ 4.5 na caixa... Ai sim, alguém desenvolvia o software, alguém fabricava as caixas com CD, disquetes, manuais e alguém vendia... Mas mesmo assim nada que uma área acrescenta a outra.
Felipe disse…
Interessante a analogia vinícius. Você já havia me falado sobre isso antes e, se olharmos para o dia a dia da equipe de pedreiros, podemos facilmente observar esses princípios.

Vale notar que, assim como no mundo de TI, tem as equipes boas e as ruins, por isso, há pedreiros ágeis e pedreiros cascateiros. :)
Xyz disse…
sim, fábrica de software é um termo q não tem nda a ver com software. Não tem o menor sentido, e qdo vejo empresas que moldam seu setor em função de uma fábrica, buscando analogias q mais parecem paródias.

Isso é algo pelo qual, nos desenvolvedores, temos que fazer força para mudar: fábrica não tem nada a ver com desenvolvimento de software, nada!

;-)
Xyz disse…
as vezes qdo falo isso de forma mais aberta, costumo ser "linchado" nas empresas que implantaram fábricas(!!!) de software...
Unknown disse…
Alias, hoje com a "fauna" open-source, estamos muito mais próximo de dizer que o software é semeado do que fabricado ou desenvolvido....

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o