Pular para o conteúdo principal

Novas Tecnologias, Velhos Problemas

Estou envolvido em projetos que demandam diversas integrações com webservices de parceiros comerciais. Ao adotar o stack JAX-WS 2.1 do NetBeans e do Glassfish nossas aplicações facilmente se beneficiam de representações Java das operações e estruturas de dados com as quais temos que interagir. O JAX-WS também tem permitido  velocidade para expor funcionalidades implementadas em Java, para aplicações internas desenvolvidas em outras plataformas.

Toda essa facilidade de integração pode nos animar a princípio, de modo a utilizarmos intensamente esses benefícios. As armadilhas residem em :
 - ignorar o acoplamento com modelos de dados externos ao consumir webservices
 - permitir a transitividade do modelo de dados interno ao prover webservices

O fato é que um contrato de webservice estabelecido hoje pode se tornar obsoleto em alguns meses. Naturalmente existem patterns de arquiteturas orientadas a serviço, adotados do lado do provedor dos webservices, que minimizam o impacto de tais evoluções. Uma prática interessante que tenho observado é o versionamento de serviços. Quando uma nova versão de serviço é disponibilizada a versão antiga continua operante, durante mais uma ou duas evoluções.

Entretanto, o surgimento de uma nova versão de um serviço ocorre por novas necessidades de negócio, e o consumidor do webservice se verá obrigado a migrar mais cedo ou mais tarde. Sob este ponto de vista a manutenção de versões antigas simplesmente permite adiar o impacto da evolução.

Se a aplicação consumidora estabeleceu dependência indireta com as representações Java geradas por ferramentas como o JAX-WS, esta ficará protegida do impacto de evolução dos serviços consumidos. A idéia não é novidade, e é bem discutida em uma publicação de Jens Coldewey, particularmente no tópico Subsystem-Façade (uma releitura do pattern GoF Façade).

Considerando o serviço a ser consumido e sua estrutura de dados como um subsistema, procuramos evitar a utilização direta das classes geradas pelo JAX-WS. Além de utilizar um componente Façade para converter as estruturas de dados do serviço consumido para as estruturas internas da aplicação consumidora, encontramos espaço para outra prática de integração, que eu tenho nomeada como 'Wrapper', e que devo comentar num próximo post.

O mesmo princípio de separação de subsistema é aplicado quando assumimos papel de provedor de serviços via JAX-WS. Considerando que nosso modelo de dados interno pode evoluir, este não é utilizado diretamente na interface dos serviços oferecidos. Combatemos a transitividade de nosso modelo de dados interno, seguindo o design pattern Value Object: criamos um modelo de dados customizado, que pretende permanecer estável para os consumidores dos serviços, ao longo de mudanças internas.

Considero que essas práticas podem ser adotas ao criar webservices em Java utilizando outros mecanismos como o JAX-RS para REST, ou ainda com os precursores JAX-RPC e Apache Axis.

Para expor webservices sem transitividade há também a abordagem Contact-First, utilizada pelo Spring Web Services. Tal abordagem também pode ser utilizada em JAX-WS. Neste caso sempre definimos o schema de dados e operações expostas em primeiro lugar, colocando a geração dos artefatos Java como uma atividade secundária.

A versão original desta discussão pode ser lida em meu blog.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o