Pular para o conteúdo principal

Compilador GWT, não se preocupe com JavaScript!

Nesse post vou escrever um pouco sobre o Compilador do Google Web Toolkit, qual é o seu papel no kit, além de algumas dicas para o dia-a-dia no desenvolvimento com a tecnologia.

Como exemplo vou usar um novo Projeto Web no Eclipse criado a partir do Google Plugin  para desenvolvimento GWT e/ou App Engine, acesse aqui mais informações e download.

Depois de instalar o plugin, dentro do Eclipse siga a sequência para criar o projeto:
New - Others - Google - Web Application Project - Defina o nome do projeto e a estrutura raiz de pacotes - Finish.




Vou adotar como nome do projeto appGWT e pacote br.com.globalcode. O plugin gera uma aplicativo pronto que permite ao usuário preencher um campo e realizar o envio ao servidor de forma assíncrona (Ajax), quando o servidor responde um Dialog é apresentado com a mensagem de retorno. Para testar a aplicação é só executar o projeto com a opção Wep Application. Veja:






O GWT, como já foi comentado, adota um conceito bem interessante para construir sofisticadas soluções web (RIA) usando Java nas camadas Client/View (Browser) e Server. Repare na estrutura de nosso aplicativo exemplo, as classes dentro do pacote br.com.globalcode.client são transformadas em JavaScript, enquanto dentro de br.com.globalcode.server o conteúdo permanece em Java rodando dentro do web-server.
Essa transformação é possível através do Compilador do GWT, que diferente do javac, transforma/traduz o código da camada Client escrito em Java para JavaScript. Além dessa transformação o GWT também otimiza o código gerado, removendo método que nunca é usado ou que sempre retorna o mesmo valor.


Para analisarmos um pouco de como o Compilador se comporta, podemos escrever o seguinte código na classe AppGWT.java:
 


/**
   * Entry point classes define onModuleLoad().
   */
  public class AppGWT implements EntryPoint {

    ...
public String getTextoPadrao() {
        return "Testando GWT";
    }
   
    public void onModuleLoad() {
        final Button sendButton = new Button("Send");
        final TextBox nameField = new TextBox();
        nameField.setText(getTextoPadrao());

        ...
    }

    ...
  }



AppGWT.java é o ponto de entrada (EntryPoint) da aplicação, ou seja, o código executado quando o usuário acessa a página.


Agora é só compilar! Por padrão o código JavaScript gerado é compactado e ofuscado, inviabilizando a  analise. Durante o desenvolvimento pode ser interessante ler o conteúdo JavaScript, por isso é possível indicar ao compilador que a geração do código deve ser em um formato legível. [Importante: Esse recurso deve ser usado somente durante o desenvolvimento]

Com botão direito do mouse sob o nome do projeto selecione Google - GWT Compile - modifique o Output Style de Obfuscated para Pretty - Clique em Compile. Veja:






O conteúdo gerado pelo compilador GWT fica dentro da pasta /war/appgwt . Após o compilador encerrar a execução, atualize o conteúdo da pasta war e verifique os arquivos gerados. O código JavaScript  de startup fica no arquivo appgwt.nocache.js, comum a todos os Navegadores ("userAgent"). O GWT também gera alguns arquivos html - extensão .cache.html - com o JavaScript gerado a partir do Java, cada arquivo com conteúdo suportado por um Navegador .


No arquivo appgwt.nocache.js temos o seguinte trecho:

...

  if (!strongName) {
    try {
      unflattenKeylistIntoAnswers(['safari'], '2B012280038ECE4F899173361F1A5AEF.cache.html');
      unflattenKeylistIntoAnswers(['opera'], '16C2FF59D1A299AD6194A71D9D33861F.cache.html');
      unflattenKeylistIntoAnswers(['gecko'], '578F90996AD9305BA987E10AF37C8645.cache.html');
      unflattenKeylistIntoAnswers(['gecko1_8'], 'B6DDD0AD31CB650064F7B6DC35EBE762.cache.html');
      unflattenKeylistIntoAnswers(['ie6'], 'C46730CF80EA3F49ED2C299E016471DF.cache.html');
      strongName = answers[computePropValue('user.agent')];
    }
     catch (e) {
      return;
    }
  }
  ...





Nesse pedaço é feito o mapeamento do Navegador e o seu arquivo .cache.html correspondente. Todo esse mecanismo é chamado de Deffered Binding, com ele o GWT resolve as incompatibilidades de JavaScript com hacks e workarounds (jeito mais elegante de dizer gambiarra) para cada navegador. O Deferred Binding seria uma alternativa para Reflection suportada no Java, o detalhe que esse vinculo ou ligação é feito estaticamente, já que o ambiente JavaScript não suporta Dynamic Class Loading.


Uma curiosidade, o GWT nomeia os arquivos .cache.html usando um MD5 sum de acordo com o conteúdo Java, no caso do Firefox (gecko1_8) o arquivo é B6DDD0AD31CB650064F7B6DC35EBE762.cache.html. Abra esse arquivo e veja o seguinte trecho:


...
var _;
function equals_2(other){
  return this === (other == null?null:other);
}

function hashCode_4(){
  return this.$H || (this.$H = ++sNextHashId);
}

function Object_0(){
}

_ = Object_0.prototype = {};
_.equals$ = equals_2;
_.hashCode$ = hashCode_4;
_.typeMarker$ = nullMethod;
_.typeId$ = 1;
function $AppGWT(this$static){
  this$static.greetingService = $GreetingService_Proxy(new GreetingService_Proxy());
  return this$static;
}

function $onModuleLoad(this$static){
  var closeButton, dialogBox, dialogVPanel, handler, nameField, sendButton, serverResponseLabel, textToServerLabel;
  sendButton = $Button_0(new Button(), 'Send');
  nameField = $TextBox(new TextBox());
  nameField.element['value'] = 'Testando GWT !' != null?'Testando GWT !':'';
  setStyleName(sendButton.element, 'sendButton', true);
  $add(get_0('nameFieldContainer'), nameField);
  $add(get_0('sendButtonContainer'), sendButton);
  $setFocus(nameField, true);
  $selectAll(nameField);
  ...
}

...




Essa é a tradução do método onModuleLoad() da classe AppGWT, mas repare que o compilador não considerou o método getTextoPadrao(), passando o conteúdo 'Testando GWT' na property do input. Se você achou esse código JavaScript complexo e dificil compile novamente a aplicação no estilo Obfuscated e experimente visualizar os fontes! Ainda bem que no dia-a-dia não precisamos nos preocupar com isso, a proposta é justamente deixar o JavaScript por conta do GWT.


Um outro detalhe da compilação é que o GWT organiza código Java no modelo AST (Abstract Syntax Tree), aonde cada elemento sintático do código é um objeto (nó) Java na árvore, Podemos fazer uma breve comparação desse modelo de organização ao DOM (Document Object Model).


O processo de compilação ainda é caro por isso o GWT disponibiliza o Hosted Mode, que permite economizar um bom tempo além deixar a construção e manutenção mais produtiva. O Hosted Mode emula código Java como JavaScript sem realizar a compilação.


Durante o desenvolvimento uma dica que pode agilizar a compilação seria gerar JavaScript para um navegador, o Firefox por exemplo. Podemos indicar isso ao GWT com a seguinte linha no arquivo de configurações do projeto, AppGWT.gwt.xml:

<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<!DOCTYPE module PUBLIC "-//Google Inc.//DTD Google Web Toolkit 1.7.0//EN" "http://google-web-toolkit.googlecode.com/svn/tags/1.7.0/distro-source/core/src/gwt-module.dtd">
<module rename-to='appgwt'>

...

<define-property name="user.agent" values="gecko1_8" />

...
</module>



A Globalcode disponibiliza um mini-curso sobre GWT, o MC56, não perca!

Eder Magalhães 
http://twitter.com/edermag
http://www.yaw.com.br

Comentários

Anônimo disse…
Estou parado há anos, voltando agora e estranhando tantas transformacoes em todas as linguagens.
Estou até assustado. Hahahaha.
Acho q nao entendi a coisa mas me parece q o codigo continua aberto e nao compilado.
Eu escondia os jss codificando mais uns 4 a 5 um chamando o outro.
Adoro Javascript e nao entendo por q ainda nao hesiste compilador pra ele. Buáááá
Tenho progs incríveis em JS.
Abraços, fui.
Paschoal, Vila Velha, Esp. Santo.
Junior Osho disse…
Otimo Post, só faltou um CRUD !

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o