Pular para o conteúdo principal

SCJP 6 - curiosidades e dicas

O objetivo desse post é falar um pouco sobre a minha preparação para o exame de atualização da certificação SCJP 6, falar um pouco sobre a prova e compartilhar algumas dicas.

Em 2005 fiz o exame SCJP 1.4, já faz algum tempo, mas nunca vou me esquecer a aflição que passei aguardando a impressão do resultado após finalizar a prova e a emoção que senti ao ver que fui aprovado.

Depois dessa certificação ainda fiz mais duas (SCWCD e SCBCD), mas acabei desanimando por não ter nenhum valor no meu antigo trabalho. Mas aprendi que temos que fazer o que o mercado pede, pois podemos precisar dele a qualquer momento. E felizmente as certificações Java tem grande valor para os processos seletivos.

Esse ano decidi voltar a ativa com as certificações Java e o primeiro passo foi atualizar a SCJP. Consegui o livro “Sun Certified Programmer for Java 6 - Study Guide” da Kathy Sierra e Bert Bates, no formato PDF em inglês, para revisar cada detalhe, pois todos sabem que nas certificações Java qualquer vacilo é uma questão perdida, pois as pegadinhas são muitas.

Então montei um planejamento para ler o livro em dois meses, gastar uma semana com simulado e por fim, uma semana com revisão. Para a certificação Java, o planejamento é fundamental e deve ser montado de acordo com o tempo disponível, conhecimento atual e determinação de cada um.

Foram horas e horas de leitura, mas na penúltima semana entrei no site da whizlabs para fazer um teste free e me sai muito mal, então decidi comprar o simulado para me preparar melhor. O simulado da Whizlabs peca pelo excesso, pois acaba sendo bem mais difícil do que o exame real.

Finalmente fiz a prova, após responder todas as questões eu tinha dúvida em apenas 5 e estava confiante de que iria muito bem. E para minha surpresa errei bem mais que 5 e obtive 78%. Com certeza devo ter caído em muitas pegadinhas.

Mas vamos falar um pouco sobre a prova. Primeiramente, já ouvi diversos boatos que a prova de atualização tem apenas questões relacionadas à nova versão do Java, mas não é verdade. E a proporção de questões por objetivo da prova de atualização é bem parecida com a prova convencional, pois na mesma semana um amigo fez a prova convencional e conversando chegamos a essa conclusão. Portanto o que vou falar vale para as duas provas.

Pelo que pude perceber nos simulados e no exame, as questões estão abordando dois ou três objetivos, por exemplo: Autoboxing e Sobrescrita ao mesmo tempo. O que é mais difícil no exame são Collections, Generics, API (NumberFormat, DateFormat, Formatter, Console, etc...) e Threads. O restante são questões mais fáceis, onde precisamos ficar mais atentos com as pegadinhas.

E vou ser sincero, achei o exame SCJP 6 bem mais difícil que a versão SCJP 1.4.

Uma curiosidade, estava conversando com um amigo, que foi arquiteto da Sun por três anos, sobre a influência que os simulados tem sobre as certificações. Então ele entrou em contato com Gary Fluitt, Certification Manager da Sun. Gary Fluitt é um cara importantíssimo na Sun e responsável pelas certificações, esse meu amigo teve o prazer de conhecê-lo em um evento nos Estados Unidos. Gary disse que a Sun fez algumas mudanças nas provas mais recentes de Java. Antigamente a base de dados de questões era estática, ou seja, não demorou muito para todas as questões ficarem disponíveis na internet, o que tornou o exame mais fácil. Agora a base de questões é dinâmica, se alguma questão é muita acertada, automaticamente ela é removida da base. E a quantidade de questões da base aumentou muito.

Acho que talvez seja um dos motivos que tornou a certificação um pouco mais difícil. Mas na minha opinião isso é bom, pois valoriza ainda mais o nosso esforço.

Seguem abaixo algumas DICAS que montei durante os meus estudos:
  • Se não souber uma questão, marque para responder no final e pule para próxima, não vale a pena ficar queimando os neurônios, pois alguma outra questão pode te ajudar a relembrar o assunto.
  • Tente identificar todos os objetivos envolvidos na questão.
  • Se uma classe serializada herda uma classe não serializada, essa classe pai deve ter um construtor vazio, senão BUM...
  • Uma variável final deve ser inicializada até no máximo no momento do construtor.
  • Quando ver a palavra assert tenha certeza de que a questão deixou claro que está habilitados em tempo de compilação e execução, ou a versão do Java utilizada.
  • Tenha em mente as classes que implementam as coleções List, Set e Map e as características de cada uma.
  • Lembre-se que o escopo de uma variável criada dentro de um método, loop, switch, etc, se restringe apenas a esse bloco.
  • O var-args deve ser sempre o último elemento na lista de parâmetros.
  • Guarde as diferenças entre Comparator e Comparable.
  • Esteja certo das diferenças e características de Sobrescrita e Sobrecarga.
  • Cairá pelo menos uma questão sobre Coesão e Acoplamento, esteja preparado.
Tem ainda muito mais, mas para não exagerar no tamanho do post, vou deixar para o minicurso comemorativo, que será realizado no dia 07/10 às 19hs.

Mas é isso ai, força para os que estão estudando e coragem para os que ainda não começaram, espero ter ajudado.

Um abraço amigos Javeiros...


Rodrigo Perenha

Comentários

Digão disse…
Post legal e muito bom Rodrigo...estou me preparando para tirar essa certificação tb agora no final de outubro...esse minicurso q vc comentou, tem previsão para quando vai ser??

falow!!
Perenha disse…
Olá Digão, o minicurso será no dia 07/10. Atualizei tb o post.
Abraço.
Rafael Redondo disse…
Fala Perenha, virou instrutor?

Leva o sãopaulino das Casas Bahia pra ver o minicurso.

[]s, Rafael
Perenha disse…
E ai Rafael, blz?
Naqueles dias eu já havia passado pelo processo seletivo, mas acabei não comentando pois ainda não havia finalizado. Legal né? Fiquei muito contento, pois gosto muito da Globalcode...
Vou mandar um email convidando o São Paulino, rs...
Abraço
Anônimo disse…
Muito bom Rodrigo...

Me identifiquei muito com o artigo, pois tirei a SCJP 1.5 a duas semanas, com 2 meses de estudo com o livro da Kathy Sierra, mais umas 2 semanas de simulados, mas valeu muito a pena este tempo... e digo que o momento da espera do resultado é uma eternidade e uma aflição só mesmo rs... Quanto as dicas que vc deixou são muito boas, tanto que fiz um arquivo texto só com erros e muitos dos meus erros, estão aí como vc citou... Vai ajudar a galera que está estudando com certeza...
Parabéns... e minha próxima será a SCWCD..
abço
Perenha disse…
Muito legal e parabéns pelo certificado...Abraço
Naiabeng disse…
Muito bom o artigo Rodrigo !
Quantas vezes você leu o livro ?
Lucas disse…
Muito bom o Post!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o