Pular para o conteúdo principal

Certificação de Arquiteto Java EE

Algumas pessoas me fizeram perguntas relativas à certificação de Arquiteto Java, então resolvi escrever um post falando um pouco sobre isso.

Antigamente a Sun tinha uma certificação chamada SCEA (Sun Certified Enterprise Architect), que teve até alguns livros preparatórios escritos, e acabou virando a atual certificação Oracle Certified Master, Java EE Certified Architect. Ela existe atualmente em duas versões: Java EE 5 e Java EE 6. Algumas características da certificação original foram mantidas e outras introduzidas pela Oracle.

A certificação de arquiteto é diferente das demais certificações Java da Oracle, entre outras coisas, por exigir 3 etapas para sua conclusão:
  1. prova de conhecimentos de arquitetura Java, com formato semelhante às demais provas de certificação, ou seja, várias questões de múltipla escolha.
  2. projeto prático onde deve ser elaborada a arquitetura de um sistema Java a partir de uma especificação fornecida. Essa especificação é fornecida através de diagramas UML (casos de uso e classe) e um descritivo. O projeto é entregue como um conjunto de diagramas UML (classe, sequência, componentes e deployment).
  3. prova discursiva sobre o projeto da parte 2

Na versão original da Sun, o projeto da parte 2 não tinha prazo para ser entregue, mas na versão Oracle o limite é de 6 meses para a entrega das partes 2 e 3. Além disso, outra diferença na versão da Oracle é que o candidato deve cursar um dos treinamentos de uma lista de cursos selecionados.

E a diferença entre o conteúdo cobrado para as versões Java EE 5 e Java EE 6? As provas das partes 2 e 3 tem até o mesmo código, mas na parte 1 os tópicos apresentam algumas diferenças. A principal delas é relativa aos design patterns cobrados. Até a versão Java EE 5 eram cobrados os patterns GoF e do livro Core J2EE Patterns. Com a versão 6 diminuiram os patterns GoF cobrados e os patterns Java EE foram atualizados. Vários dos patterns novos estão descritos no livro "Real World Java EE Patterns - Rethinking Best Practices" do Adam Bien.

E para quem tem interesse em tirar a certificação, a boa notícia é que a Globalcode, como empresa parceira da Oracle através do programa WDP, ministra um dos treinamentos da lista de pré-requisitos: Arquiteto de Aplicações Enterprise Java EE. Esse curso é interessante pois aborda vários dos tópicos cobrados na certificação e possui laboratórios práticos semelhantes à prova da parte 2.

Espero ter esclarecido algumas dúvidas comuns e se alguém tiver interesse posso escrever mais sobre o tema.

[]s
Kleber Xavier

Comentários

Unknown disse…
Ótimo post Kleber. Bastante esclarecedor e com algumas dicas sobre a certificação de arquiteto. Vou divulgá-lo para nossos alunos aqui em Floripa. Abs.
Marco A. S. Reis disse…
Poderia haver um post sobre o mercado de trabalho para o arquiteto certificado, indicando as vantagens de conseguir o título, se há vantagens financeiras ou oportunidades de consultoria. Talvez até a experiência pessoal do autor.
fabio.fino disse…
Pessoal, colocaram um ótimo simulado JAVA no site http://www.iheadgo.com para quem está querendo tirar a Certificação.
Tem simulado de várias provas JAVA. Inclusive o site grava a evolução em gráfico dos seus estudos.
Gostei bastante e estou usando esse site para estudar para a prova 1Z0-804 - ORACLE Java SE 7 Programmer II que vou fazer.

Alguém aqui já conhecia esse site?

Ricardo Andrei
fabio.fino disse…
O site http://www.iheadgo.com é o melhor que vi até agora. Muita coisa boa em Portugues e sem burocracia.

Gostei bastante do que ví lá! Estou estudando por ele!
Unknown disse…
A prova da parte 2 e 3 é obrigatoriamente em inglês? Obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o