Pular para o conteúdo principal

Android SDK Tools (r21) e suas novas ferramentas

Há pouca mais de uma semana, foi lançada a nova versão do Android SDK para o Jelly Bean, o Android 4.2. Com ele, também foi atualizada a versão do ADT (Android Developer Tools). As novas features são muito interessantes, agilizam o desenvolvimento e fornecem novos meios de combater a fragmentação de hardware da plataforma. Sendo assim, vou demonstrar algumas das principais novidades aqui neste breve artigo.

Novos Templates

Nas primeiras versões do ADT existia um número muito limitado de templates de interfaces gráficas que poderíamos utilizar. No Revision 20 já foram adicionados dois itens: uma interface máster-detail com uso de fragments e, uma tela em branco, somente com a barra superior e uma área central onde inserimos nossas widgets.

E, mais recentemente, na Revision 21, foram adicionados mais três templates muito úteis.

Um deles é uma tela de preferências. Segundo o comentário na classe PreferenceActivity gerada pelo ADT: uma preferenceactivity que apresenta um conjunto de configurações da aplicação. Em dispositivos handset, configurações são apresentadas em uma lista. Em tablets, configurações são divididas em categorias, com o cabeçalho das categorias mostrada a esquerda da lista de configurações. Veja uma representação na Figura 1:

Figura 1: template de configurações.

Outro template cria uma tela para visualização de imagem ou vídeo. Ela fica full-screen até que o usuário clique na tela, neste momento, a barra de status é exibida por alguns segundos. Veja na Figura 2 uma representação. Na Figura 3 o aplicativo criado com o template sendo testado em um Galaxy Ace e, na Figura 4, o instante em que o usuário tocar a tela do Ace.

Figura 2: representação

Figura 3: aplicativo

Figura 4: aplicativo após toque na tela.

E isso não é tudo. O próprio ADT já cria três classes auxiliares: SystemUiHider, SystemUiBase e SystemUiHiderHoneycomb. Com estas classes é possível mostrar e esconder certos componentes de UI que só estão presentes em versões mais recentes do sistema operacional Android.

Veja o que a documentação da classe SystemUiHider nos diz: Uma classe utilitária que ajuda a mostrar e esconder UI do sistema, como a barra de status e a barra de sistema/navageação. Esta classe utiliza técnicas de compatibilidade com versões anteriores, para garantir que dispositivos rodando qualquer versão do Android OS sejam suportados.

O último template refere-se a uma típica de tela de login, com um campo de usuário e senha e um botão para verificar a autenticidade do mesmo. Veja na Figura 5 sua representação:

Figura 5: template de tela de login.

O template é tão bem feito que a classe Acitivyt apresenta um esqueleto completo, com uma classe AsyncTask para uma possível verificação de senha mais demorada e utilização da ViewPropertyAnimator API, disponível a partir do Honeycomb MR2. Veja este código de animação abaixo:


if (Build.VERSION.SDK_INT >= Build.VERSION_CODES.HONEYCOMB_MR2) {
 int shortAnimTime = getResources().getInteger(android.R.integer.config_shortAnimTime);

 mLoginStatusView.setVisibility(View.VISIBLE);
 mLoginStatusView.animate().setDuration(shortAnimTime)
  .alpha(show ? 1 : 0)
  .setListener(new AnimatorListenerAdapter() {
   @Override
   public void onAnimationEnd(Animator animation) {
    mLoginStatusView.setVisibility(show ? View.VISIBLE
        : View.GONE);
   }
 });

 mLoginFormView.setVisibility(View.VISIBLE);
 mLoginFormView.animate().setDuration(shortAnimTime)
  .alpha(show ? 0 : 1)
  .setListener(new AnimatorListenerAdapter() {
   @Override
   public void onAnimationEnd(Animator animation) {
    mLoginFormView.setVisibility(show ? View.GONE
        : View.VISIBLE);
   }
  });
} else {
// The ViewPropertyAnimator APIs are not available, so simply show
 // and hide the relevant UI components.
 mLoginStatusView.setVisibility(show ? View.VISIBLE : View.GONE);
 mLoginFormView.setVisibility(show ? View.GONE : View.VISIBLE);
}


Editor de UI poderoso

Quando vamos editar um arquivo XML que representa uma Activity de nossa aplicação, podemos fazer isso via código ou, através de uma representação gráfica e com ajuda do drag-and-drop. Na nova versão do ADT esta ferramenta recebeu aporte de novas e interessantes features.

Quando optamos pelo Graphical Layout, agora temos uma opção que fica no canto superior esquerdo, chamado de “Configuration to render this layout with in Eclipse”. Dentro das opções listadas por esta ferramenta, podemos escolher “Preview Representative Sample”. Sendo assim, veremos o layout que estamos construindo em diferentes tipos representativos de telas. Veja a Figura 6:

Figura 6: Graphical layout.

Desta forma, fica muito mais fácil gerenciarmos nossa interface gráfica do usuário nas diferentes versões de tela que o Android possui. Além disso, esta feature apresenta outra opção valiosa. Na opção Preview Layout Versions veremos para quais versões de tela nós estamos criando um layout. Ou seja, suponhamos que no meu aplicativo eu tenha criado um layout específico com a pasta layout-v11. Vou ver no Graphical Layout a Figura 7:

Figura 7: Graphical layout com minhas versões de tela.

E não para por aí não. O Graphical Layout apresenta um ícone de um globo, onde podemos especificar para uma versão de tela específica qual a localidade que estamos simulando.



Criação de AVD´s

O processo de criação de um Android Virtual Device também sofreu mudanças. Agora, é possível indicar em qual aparelho ele se baseará. Veja a Figura 8 e a caixa de seleção Device:

Figura 8: Criação de AVD.

Além disso, o novo ADT ainda nos fornece ferramentas como o UI Automator Test Framework, uma ferramenta gráfica para scanear e analisar os componentes de uma aplicação Android, mais uma biblioteca com APIs para criar funcionalidades automatizadas de testes e uma engine para automatizar e rodar testes em vários dispositivos físicos.

E, finalmente, conta com um instalador de SDK com somente 1 clique, baixando todos os componentes do SDK, como Tools, Platform Tools, Eclipse ADT e imagens de sistema. Tudo isso de forma muito mais conveniente.

O próximo passo é só começar a desenvolver.

Comentários

Matheus Gomes disse…
Cara, sensacional... para quem não sabe design é uma mão na roda!
Yara Senger disse…
Parabens Ricardo! Muito legal o post!
Unknown disse…
Muito bom o post!! Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o