Pular para o conteúdo principal

Iterando coleções com Scala

Em uma notícia de uns dias atrás nós anunciamos um novo curso, o Core Scala. Nele, havia um pequeno trecho de código:


val alunosMaiores = alunos.filter(aluno => aluno.idade >= 18)


Vamos entender como esse código funciona.

Para começar, temos uma lista de alunos. Como essa lista foi criada não é muito importante. Poderíamos ter recuperado ela de um banco de dados, ou tê-la criado em Scala com o seguinte código:

case class Aluno(nome: String, idade: Int)
val alunos = List(Aluno("joao", 19),
                  Aluno("jose", 17),
                  Aluno("maria", 21))
 
Criamos acima uma case class que é, de forma simplificada, equivalente a um Java Bean completo, com getters, setters, toString etc. Em seguida criamos a lista em si. Para isso, usamos um recurso de Scala que nos permite criar objetos com a sintaxe Classe(params) - sem o new. Este recurso está disponível para a nossa classe Aluno também pelo fato dela ser uma case class.

Com a lista pronta, basta fazer a iteração, e é aqui que acontece a parte mais interessante do exemplo.

Uma das principais características da linguagem Scala é o fato dela ser um linguagem que, além de Orientada a Objetos, também é Funcional. E o exemplo que estamos estudando explora bem isso.

No caso, filter é uma função que recebe como parâmetro uma outra função. Esta outra função pode ser uma definida em outro lugar, ou definida inline, que foi o que fizemos nesse caso. Aqui, a função declarada recebe um aluno como parâmetro e investiga seus atributos para verificar a idade.

Repare que falamos que a função recebeu apenas um aluno. A lista em si será responsável por percorrer todos os seus elementos e aplicar a função em todos eles, um a um. O resultado será uma nova lista, contendo todos os elementos da lista original que fizeram a nossa função retornar true como resultado - ou seja, que passaram no nosso critério de filtragem.

E isso é tudo. O interessante é que essa capacidade de passar funções para funções é muito usada na API de coleções de Scala. Podemos fazer filtros, transformações, splits, diversos tipos de iterações... Uma olhada no Scaladoc de Seq pode dar uma idéia melhor das possibilidades.

A título de curiosidade, como funções na forma como usamos acima é muito comum, podemos escrever ela com um atalho:

val alunosMaiores = alunos.filter(_.idade >= 18)

Gostaram? =)

----------
contatos:

blog: http://jcranky.com
twitter: http://twitter.com/jcranky
scaladores: http://scaladores.com.br
core scala:  http://www.globalcode.com.br/treinamentos/cursos/core-scala

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o