Pular para o conteúdo principal

Nova versão e modificações no AppEngine

Ontem como devem ter acompanhado, foi o início do Google IO, o evento anual de tecnologia promovido pelo Google. E dentro dos anúncios feitos ontem, alguns muito importantes para o AppEngine.

Finalmente, após 3 anos, o Google AppEngine passará de um produto de 'Preview' para um produto realmente suportado(com SLA e suporte), e com um comprometimento maior do Google em mantê-lo. E também, não haverá mais a plataforma Google AppEngine for Business, que será integrada a plataforma atual.

Dentre os anúncios se destacam:

Nova versão do SDK, 1.5.0, que trará grandes novidades.
  • Backends - Até a última versão, as aplicações eram gerenciadas pelo AppEngine através de instâncias com um ciclo de vida curto, que respondiam a quantidade de acessos/request de sua aplicação e através desta medida eram criadas ou finalizadas. Com esta nova funcionalidade, sua aplicação poderá criar instâncias com um período de vida mais longo, consumir mais memória e alocar processamento por tempo indeterminado.
  • High Replication Datastore - Esta nova implementação da camada de persistẽncia, que é mais estável e com uma taxa de erros mtuio menor se comparado a versão MAster/Slave, passará a ser o mecanismo padrão de persistência. Em adição, períodos de manutenção do AppEngine, não irão mais afetar a capacidade de escrita de sua aplicaçã, como acontecia com o mecanismo Master/Slave.
  • Response HTTP - Incrementado o tamanho do conteúdo de resposta ao usuário para 32Mb
  • Mail API - Quantidade de envios diárias reduzido de 2000 para 100 para novas aplicações.
  • Go Language - Agora além de Java e Python, é possível em caráter experimental desenvolver sua aplicação na linguagem Go.
Todas as modificações foram muito bem vindas pela comunidade, porém não se ouviu muitos comentários a respeito, pois toda a atenção foi voltada ao novo modelo de cobrança do AppEngine. E é o assunto que tem predominado nas listas de discussão.
Ainda não se sabe bem como será, e mesmo os desenvolvedores/engenheiros do Google tem pedido paciência que tudo será esclarecido em breve.
Porém, em resumo, algumas modificações que podemos notar na nova página cobrança:
  • Diminuição drástica das quotas free
  • Pagamento 'por aplicação'
  • Pagamento 'por hora/instância'
  • Aumento no valor de quotas de dados e tráfego
  • Remoção de algumas quotas de serviços(Memcache, URL Fetch, Task Queue, etc)
E a principal fonte de informação do novo modelo de cobrança, está sendo uma thread no Google Groups. Em breve nos prometeram um FAQ e um gráfico comparativo de como será a cobrança no novo modelo.

Na próxima sexta feira, 13/05, darei uma palestra de 'Arquitetura JEE no Google AppEngine' no JuystJava 2011, apareçam por lá para conversarmos sobre essas modificações e o que isso implicará nas aplicações.

twitter.com/rafanunes
twitter.com/youandwe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o