Pular para o conteúdo principal

Geração de classes persistentes com a engenharia reversa no SpringRoo

Fechando uma série com 3 posts que descrevem algumas características do Spring Roo  para a camada de persistência, neste último post vou demonstrar como criar entidades persistentes a partir de uma base de dados relacional, utilizando engenharia reversa via o add-on DBRE (Database Reverse Engineering) do Spring Roo.

O diferencial do Roo, em relação a outras ferramentas de engenharia reversa, é a possibilidade de re-utilizar essa funcionalidade durante todo o ciclo de desenvolvimento, não se limitando apenas na fase inicial de codificação.

Modelo de dados
Vou usar o mesmo projeto demonstração dos outros dois posts, um CRUD de produtos, no MySQL com as seguintes tabelas:

Projeto Roo
Para experimentar a engenharia reversa do Spring Roo é interessante começar um projeto novo. A seguir, as instruções necessárias para montar o projeto:
roo> project --topLevelPackage br.com.yaw.produtos
roo> persistence setup --provider HIBERNATE --database MYSQL --databaseName roodb 
  --hostName localhost --userName roo --password roo
Importante: os parâmetros databaseName, hostName, userName e password mudam conforme a instalação realizada no banco.

Metadata no Banco de dados
O DBRE do Roo precisa de uma conexão com o banco de dados para consultar a estrutura das tabelas (metadados). Isso é feito através da interface DatabaseMetadata implementada pelo driver JDBC subjacente. Essas informações são mantidas pelo Roo em formato XML, e a partir deles o Roo gera o código das entidades persistentes.

Para utilizar o DBRE pela primeira vez, são necessários alguns comandos para configurar o add-on. Para quem já testou o DBRE esses passos podem ser ignorados. Primeiro é necessário instalar o driver JDBC do MySQL, por isso consultamos o seu id na lista de add-ons:
roo> addon list
roo> addon install id --searchResultId 39
Sobre o último comando, esse efetivamente instala o driver e 39 é id do #jdbcdriver do MySQL.

Pronto, agora para consultar a estrutura das tabelas no banco de dados e listar as informações no Shell basta executar a seguinte instrução:
roo> database introspect --schema roodb
<database name="no-schema-required">
  <table name="categoria">
    <column name="id" primaryKey="true" required="true" size="10" 
      type="4,INT"/>
    <column name="nome" primaryKey="false" required="true" size="50" 
      type="12,VARCHAR"/>
    <foreign-key foreignTable="produto" name="fk_categoria" onDelete="none" 
      onUpdate="none">
      <option key="exported" value="true"/>
      <reference foreign="categoria" local="id"/>
    </foreign-key>
    <unique name="PRIMARY">
        <unique-column name="id"/>
    </unique>
  </table>
  <table name="produto">
    <column name="id" primaryKey="true" required="true" size="10" 
      type="4,INT"/>
    <column name="descricao" primaryKey="false" required="true" size="60" 
      type="12,VARCHAR"/>
    <column name="preco" primaryKey="false" required="true" size="22" 
      type="8,DOUBLE"/>
    <column name="categoria" primaryKey="false" required="true" size="10" 
      type="4,INT"/>
    <foreign-key foreignTable="categoria" name="fk_categoria" onDelete="none" 
      onUpdate="none">
      <option key="exported" value="false"/>
      <reference foreign="id" local="categoria"/>
    </foreign-key>
    <unique name="PRIMARY">
      <unique-column name="id"/>
    </unique>
    <index name="fk_categoria">
      <index-column name="categoria"/>
    </index>
  </table>
</database>
Outras opções para executar esse comando:
  • schema no-schema-required: uma opção ao invés do nome do schema.
  • enableViews: habilita a engenharia reversa para visões do banco de dados (View).
  • file: guarda a pesquisa de metadados em arquivo XML.

Geração de Entidades
A geração do código das entidades ocorre através do comando database reverse engineer. A opção package é opcional e indica em qual pacote as classes devem ser geradas. Veja:
roo> database reverse engineer --schema roodb --package ~.model

Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria.java
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto.java
Updated SRC_MAIN_RESOURCES/META-INF/persistence.xml
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_ToString.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_DbManaged.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_DbManaged.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_Configurable.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_Entity.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_Entity.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_ToString.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_Configurable.aj
Created ROOT/.roo-dbre

Depois de executar esse comando o Roo cria o arquivo .roo-dbre com a estrutura do banco e, as classes Categoria e Produto. Para cada classe o Roo também cria três aspectos, que foram apresentados no primeiro post: _Roo_Configurable, _Roo_Entity e _Roo_ToString.

Porém, com o DBRE o Roo marca a entidade com a anotação @RooDbManaged e cria um quarto tipo de aspecto: _Roo_DbManaged. Nesse aspecto o Roo coloca o código de mapeamento JPA gerado pela engenharia reversa. Veja o exemplo do aspecto Produto_Roo_DbManaged:
//...
privileged aspect Produto_Roo_DbManaged {
    
  @ManyToOne
  @JoinColumn(name = "categoria", referencedColumnName = "id", nullable = false)
  private Categoria Produto.categoria;
    
  @Column(name = "descricao", columnDefinition = "VARCHAR", length = 60)
  @NotNull
  private String Produto.descricao;
    
  @Column(name = "preco", columnDefinition = "DOUBLE")
  @NotNull
  private Double Produto.preco;
  
  public Categoria Produto.getCategoria() {
    return this.categoria;
  }
    
  public void Produto.setCategoria(Categoria categoria) {
    this.categoria = categoria;
  }
    
  public String Produto.getDescricao() {
    return this.descricao;
  }
    
  public void Produto.setDescricao(String descricao) {
      this.descricao = descricao;
  }
    
  public Double Produto.getPreco() {
      return this.preco;
  }
    
  public void Produto.setPreco(Double preco) {
      this.preco = preco;
  }
}

As classes Produto e Categoria ficam praticamente sem código, só com as anotações do Roo. A intenção do Roo é inferir o mínimo possível no código Java sem tirar a autonomia do programador, que pode a qualquer momento sobrescrever na própria entidade um atributo ou remover a marcação @RooDbManaged.

Outras opções também podem ser utilizadas com o comando database reverse engineer:
  • testAutomatically: cria o código de teste de integração para as entidades.
  • enableViews: habilita a engenharia reversa para Visões (View).
  • includeTables: filtra as tabelas que serão processadas, por exemplo as tabelas com o prefixo prod: --includeTables "prod*"
  • excludeTables: opção para restringir tabelas, por exemplo tabelas com prefixo sys: --excludeTables "sys*"

Com mais dois comandos e aplicação já pode ser testada:
roo> controller all --package ~.web
roo> perform package
Caso a tabela sofra alguma modificação, uma nova coluna por exemplo, é possível em qualquer momento executar novamente o comando database reverse engineer que o resto do trabalho é feito pelo Roo.


Relacionamentos
O DBRE compreende o relacionamento entre entidades através das chaves estrangeiras (foreign key) existentes no banco de  dados. No exemplo utilizado aqui, o Roo resolve com associção many-valued bidirecional sendo o Produto relacionado (ManyToOne) a uma Categoria. Já a Categoria com um conjunto de Produtos (OneToMany).

A geração do código seria diferente se, por exemplo, o campo categoria da tabela produto fosse a chave primária. Dessa forma o Roo montaria o relacionamento OneToOne da Categoria com o Produto, nesse caso unidirecional na classe Categoria.

O Roo também suporta a definição de chave primária com duas ou mais colunas, maiores detalhes estam disponíveis na documentação.


Padrão de nomes
O Roo define um algoritmo simples para definir o nome das classes e atributos a partir das tabelas e colunas. Para a tabela os caracteres "_", "-" ou "\" são separadores de nome, veja exemplos:
  • Tabela produto > Classe Produto
  • Tabela produto_categoria > ProdutoCategoria
  • Tabela PRODUTO-ITEM > ProdutoItem

O comportamento é parecido para as colunas:
  • Coluna preco > Atributo preco
  • Coluna codigo_produto > Atributo codigoProduto
É isso!

Outras referências:
[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag

Comentários

Adriano disse…
Parabéns pelo Post. Você sabe como criar novas anotações para o ROO? Se é possível criarmos um código java e criarmos uma anotação referente a este código, para que seja gerenciado pelo Roo. Tem indicação de material?
Abraço
Alan D Avila disse…
Muito bom o post, é exatamente o que eu estou precisando. Parabéns pela iniciativa e pelo blog.

Postagens mais visitadas deste blog

PrimeFaces com JSF2 no ScrumToys

O JSF traz um grupo de componentes visuais prontos, a partir da versão 2.0 com suporte a Ajax nativo! Melhor que isso é a possibilidade de customizar ou utilizar uma suíte de componentes prontos para "turbinar" o projeto com o minimo de esforço. PrimeFaces é uma suite de componentes JSF customizados, a maioria com suporte a ajax, conta com um Kit para desenvolvimento mobile, é open source, a documentação é razoável, facíl de instalar e usar. Nesse exemplo utilizo o PrimeFaces 2.0.0, versão com suporte a JSF 2, no ScrumToys. Conheçe o ScrumToys ? ScrumToys é um Projeto Exemplo para JavaServer Faces 2.0 dentro do NetBeans 6.8, criado e mantido pelo time da Globalcode. É interessante que você tenha o NetBeans 6.8 para fazer esse exemplo, senão tiver baixe aqui . Baixe também, aqui , o PrimeFaces e o configure no NetBeans como biblioteca para o ScrumToys. Inicialmente o PrimeFaces requer a runtime JSF, mas isso pode variar dependendo de quais componentes você utilize, mai

Seja um Palestrante do TDC Connections 2022

A Equipe TDC está muito feliz e orgulhosa em começar mais uma jornada de eventos em 2022 e criar muitas oportunidades! Agora, chegou o momento para você que sempre quis ser palestrante mas não teve oportunidade, e também de quem já é palestrante experiente, e está ansioso para compartilhar aquela nova prática ou caso de sucesso fresquinho, submeter sua palestra para o TDC Connections e co-criar conosco o maior evento de desenvolvedores do Brasil.  Link de inscrição: https://cfp-conn.thedevconf.com.br/?_ga=2.103579840.1386204218.1643036190-1988609034.1631800014 Confira aqui o calendário do TDC 2022. Nesta edição teremos muitas novidades e você poderá palestrar de forma Online ou Presencial! Entenda como vai funcionar o TDC CONNECTIONS: Nesta edição, além de todo o conteúdo dividido em Trilhas transmitidas ao vivo (13 trilhas simultâneas) também teremos dois eventos híbridos em Recife e Belo Horizonte, que terão uma trilha por dia, ao vivo, para um público limitado, seguindo protocolo

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o

Top 4 desafios do gestor de TI e como superá-los

  O setor de TI se apresenta como uma área essencial ao desenvolvimento e expansão da empresa, em especial, aquelas que têm a criação de soluções tecnológicas como core business. O mercado dinâmico da atualidade, com mudanças constantes e concorrência elevada, exige aperfeiçoamento do gestor de TI para se destacar em suas atividades. Pensando em te ajudar nesse processo, separamos 4 desafios do gestor de TI e como superá-los. Acompanhe! Transformação digital na atualidade A transformação digital é constante e define os caminhos futuros da nossa sociedade. Por isso, o setor de TI vem se tornando mais estratégico em empresas de todos os segmentos. O home office é um bom exemplo de como a revolução digital está se processando. Vamos falar sobre ele e outros pontos nos tópicos a seguir. Confira! Desafios do gestor de TI Para se manter atualizado sobre o tema e permanecer competitivo no mercado, é  necessário acompanhar as tendências de TI . Confira, abaixo, alguns dos principais desafios d

Segurança da informação no alvo: o que esperar do futuro?

A segurança da informação não se trata apenas de proteger os dados contra acesso não autorizado. Na prática, refere-se aos recursos que impedem: uso; registro; inspeção; divulgação; interrupção; modificação; destruição de dados. O uso de dados pode abranger desde um perfil nas redes sociais a detalhes financeiros, biometrias ou novos projetos. Por isso, a preocupação com a proteção dos dados é crescente, tanto para empresas quanto clientes. Para muitas pessoas, a coleta de dados é considerada invasão de privacidade, criando desconfiança do titular dos dados, pois o uso dos dados pode ser facilmente corrompido, utilizado para fins não declarados. Apesar de o uso dos dados terem impulsionado os avanços tecnológicos na última década, as organizações lidam com o desafio de distinguir dados de informações pessoais de modo a proteger a privacidade e as preferências dos clientes. Neste artigo, abordaremos o impacto da segurança da informação e o que esperar do futuro. Confira casos conhecido