Pular para o conteúdo principal

Referências de Design Patterns

Na semana passada ministrei o minicurso "Introdução a Design Patterns" na Globalcode e como alguns alunos me pediram referências, resolvi escrever em forma de post. Assim posso compartilhar com mais pessoas interessadas nesse assunto que volta e meia temos que lidar no trabalho.

Quem perdeu o minicurso e quer saber um pouco mais antes de seguir neste post pode ler:

- Blog: Design Patterns - Será que preciso aprender?
- Entrevista: o que são, pra que servem e como usar Design Patterns.
- Apresentação utilizada minicurs gratuito - Introdução a Design Patterns


Aplicabilidade dos Design Patterns

De maneira geral, os Design Patterns não estão relacionados diretamente a uma tecnologia, mas a problemas de orientação a objetos. Porém, o que percebemos ao longo do tempo é que as tecnologias (como o caso da plataforma Java e alguns frameworks) passam a incorporar os padrões de uso geral em suas estruturas internas e a oferecer seus próprios design patterns aos desenvolvedores.

Quando isso acontece, nos deparamos com a dúvida em usar ou não determinados padrões no momento em que a tecnologia muda, além de percebermos que alguns padrões de uso geral não fazem mais sentido. Como não há regras para nortear a decisão sobre o uso de padrões, a dica é sempre usar o bom senso e lembrar que os padrões servem para organizar e flexibilidar a arquitetura e, assim, minimizar as dificuldades de manutenção no futuro.

Mas independente da tecnologia, ainda há vários Design Patterns definidos na família Gof que podem perfeitamente ser aplicados em nosso dia a dia na modelagem orientada a objetos.

Nesse sentido, gostaria de sugerir o material do minicurso MC103 - Design Patterns: Padrões para toda a vida. Ele foi produzido por mim e pelo instrutor Kleber Xavier para uma palestra no JustJava em 2009 e aborda padrões de orientação a objetos que estão ligadas às necessidades do projeto em si, e não à arquitetura da aplicação que pode mudar dependendo da tecnologia.

Dicas de leitura

Quem tiver interesse em conhecer um pouco mais sobre Design Patterns, segue uma lista de referências tradicionais:

  • Eric Freeman, Elisabeth Robson, Bert Bates and Kathy Sierra. Head First Design Patterns. Ed. O'Reilly Media. (Bom tutorial sobre padrões com exemplos em Java, mas não aborda todos os padrões Gof - tem em português com o nome Use a Cabeça ! Padrões de Projetos).
  • (Gof) Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson and John Vlissides. Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Design. Ed. Addison-Wesley. (Referência oficial com 23 padrões de uso geral).
  • Alan Shalloway; James R. Trott. Design Patterns Explained, Second Edition: A New Perspective on Object-Oriented Design. Ed. Addison-Wesley. (Não aborda todos os padrões Gof mas usa exemplos mais reais de aplicação).
  • Bruce Eckel. Thinking in Patterns with Java. Ed. MindView, Inc. (Livro eletrônico gratuito. Fizemos um workshop na Globalcode com o autor há um tempo atrás, foi muito legal. Veja fotos! )
  • Martin Fowler. Analysis Patterns: Reusable Object Models. Ed. Addison-Wesley. (Autor mantém atualizações no seu site pessoal)
  • Martin Fowlser. Patterns of Enterprise Application Architecture. Ed. Addison-Westley.
Essas são referências clássicas com padrões que foram sendo amadurecidos e incorporados às tecnologias. Mas há também vários outros padrões mais recentes, como o Dependency Injection (Injeção de dependência) tão fortemente utilizado nos frameworks atuais, além de padrões apropriados à arquiteturas mais específicas.


Espero que este post ajude no seu estudo sobre Design Patterns e que vocês continuem participando dos próximos minicursos:

Abraços,

Elaine Silva
Instrutora
http://www.globalcode.com.br/instrutores/ElaineSilva
http://twitter.com/elaineqsilva

Comentários

Marco disse…
Olá Elaine, gostei muito do minicurso. Há alguma previsão de turma para o curso Core Patterns, preferencialmente em Campinas?
Alan D Avila disse…
Bom post, obrigado pelas referências!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o