Pular para o conteúdo principal

Aventuras com SpringRoo no mundo real

Há alguns dias entregamos a primeira fase de um Projeto desenvolvido utilizando o Spring Roo. Nesse post vou compartilhar essa experiência.


O Projeto
Primeiro detalhe, só pra variar, o tempo bem escasso. A idéia era disponibilizar o sistema funcionando em 2 semanas. As funcionalidades eram bem simples, alguns CRUDS, um deles um pouco maior  com alguns relacionamentos e validações mais chatas, várias opções de pesquisa/filtros e relatórios.

A equipe
Nesse projeto era bem pequena, 2 desenvolvedores.

Porquê o Spring Roo?
Meu primeiro contato com o Roo foi no TDC2009, na palestra do Rod Johnson e logo depois com o Renato Bellia no Casual Class sobre Spring Plataform.

Finalmente chegamos a tão desejada "alta-produtividade" no desenvolvimento Java corporativo! Será? Penso que produtividade vai bem além de uma ferramenta e/ou metodologia, são vários os fatores que influenciam, mas não quero falar sobre isso aqui.

Imparcial e sem falsas ilusões fiquei bem curioso pela simplicidade com que o Roo trata as tarefas burocráticas na infra-estrutura de um projeto Java, que sempre foi alvo de muitas críticas. Outro ponto que chamou minha atenção foi a possibilidade de, caso fosse conveniente, desligar o Roo e continuar trabalhando e evoluindo o sistema.

Além das funcionalidades da ferramenta, o fator decisivo na escolha do Spring Roo foi a arquitetura/estrutura gerada por ele com: Spring MVC, JPA/Hibernate, Spring Security. Tecnologias aderente a linha adotada em outros projetos na empresa. O Roo entrou em cena com o papel de propulsor.


Desenvolvimento
No início do projeto a versão disponível do Spring Roo era 1.1.0.M1. De lá pra cá várias melhorias foram feitas até a 1.1.0 GA. Naquele momento o plugin do GWT do Roo estava bem imaturo, ainda em processo de desenvolvimento e, então, pra evitar o risco não usamos. A estratégia na camada view foi seguir uma linha mais clássica Java para Web, desenvolvimento com JSP e Custom Tags do Spring Web, e claro com Spring MVC 3.0.

Ainda sobre a camada view, outra feature que ainda não existia no Roo era o suporte nativo a JSON para REST, adotado na atual versão. Resolvemos o JSON sem stress, usando algumas funcionalidades do Spring MVC 3. O Ajax no front-end foi resolvido com framework JavaScript Dojo, adotado pelos componentes do Spring Web para algumas perfumárias. O Dojo deixou a desejar, enfrentamos alguns problemas de compatibilidade do JS com IE, por isso em alguns pontos usamos o JQuery, que sem dúvida alguma é o meu prefererido!

A curva de aprendizado do Roo é bem curta, em poucas horas definimos todo modelo de entidades, as Controllers, pesquisas e o esqueleto das Views, tudo pelo shell. Usamos o STS tornando a integração do shell com IDE bem transparente, além de contar com todas peculiaridades para os produtos Spring.


Conclusão
O principal objetivo: entregar o projeto atendendo a expectativa do cliente no prazo esperado, foi alcançado!

O Roo realmente acelera o desenvolvimento, resolve muitas picuinhas chatas e o melhor de tudo: gera código bom, fácil de compreender e avançar, com todo aparato de testes, uma arquitetura enxuta e consistente. Conhecer um pouco sobre AOP, ou melhor AspectJ, pode facilita a compreensão do que está rolando por trás da cortina.

Dois pontos que merecem uma maior atenção seriam  o cuidado com relacionamentos mais avançados entre entidades (Scaffold) e a organização das buscas. Vou descrever mais detalhes disso em outro post.

Gostei bastante do Roo, pretendendo continuar usando em projetos com características diferentes, maiores e mais complexos.


Documentação do Roo.
Posts sobre o Roo aqui no Globalcoders.
Um pouco mais da minha experiência com o Roo.


[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag

Comentários

Digão disse…
Otimo post! brinquei um pouco com SpringRoo tempos atrás, para CRUDs ele funciona muito bem! empaquei um pouco com relacionamento nesses CRUDs, já q vai detalhar num proximo post..estarei no aguardo sobre ele! valew!
Pedro Cavaléro disse…
Muito interessante ver uma utilização do Roo no mundo real. Vc fez o q eu pensei tb, fazer a infra com o Roo e a parte toda de view na mão mesmo. Ainda não acho q a view q ele gera seja usável em um projeto real, talvez uma pequena parte, não sei. Seria interessante que a springsource fizesse algum demo com a customização de projetos e não apenas da geração incial. Parabéns pelo post!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o