Pular para o conteúdo principal

Fetch Profile nova funcionalidade do Hibernate 3.5

No final de Março foi lançado Hibernate 3.5, framework Mapeamento Objeto Relacional mais "badalado" do Java.

A grande expectativa dessa versão é justamente por a partir dela o Hibernate torna-se uma implementação da JPA 2.0. A JSR 317 especificou recursos já existentes no Hibernate com novas funcionalidades dando uma cara nova ao mecanismo padrão para ORM em aplicativos Java.

Mas além da compatibilidade a JPA 2.0, o Hibernate conta com algumas melhorias como o suporte a JDBC 4 (Java 6), junção dos projetos Hibernate Core, Hibernate Annotations, Hibernate EntityManager e Hibernate Envers. Fechando com novas funcionalidades como o Fetch Profile.

Via de regra, mapear as associações com fetchType usando Lazy não faz mal a ninguém, principalmente em relacionamentos que envolvem collection como @OneToMany e @ManyToMany. Uma solução comum para carregar mais de uma entidade em única busca no banco é utilizar join fetch via HQL, ou mesmo via Criteria.

A partir do Hibernate 3.5, com o Fetch Profile isso pode ser feito de uma forma diferente e bem simples. No mapeamento é necessário indicar a entidade, o relacionamento/atributo que deve ser carregado e por fim um nome para o Fetch Profile. Vou usar o clássico exemplo Pedido com um Cliente e vários Itens para demonstrar o uso, código está bem reduzido com foco em Fetch Profile:
@FetchProfiles(value={
    @FetchProfile(name="pedido-com-cliente",
        fetchOverrides=@FetchProfile.FetchOverride(
            entity=Pedido.class,
            association="cliente",
            mode=FetchMode.JOIN)
    ),

    @FetchProfile(name="pedido-com-itens",
        fetchOverrides=@FetchProfile.FetchOverride(
            entity=Pedido.class,
            association="itens",
            mode=FetchMode.JOIN)
    )
})

@Entity
public class Pedido {

    // mapeamento dos outros atributos foram omitidos ...
    
    @ManyToMany(fetch=FetchType.LAZY) //o default eh EAGER
    private Cliente cliente;

    @OneToMany(fetch=FetchType.LAZY)
    private Set itens = new HashSet();

    // getters, setters e outros metodos foram omitidos ...
}


Observação: caso exista só um @FetchProfile, não é necessário definir @FetchProfiles.

Agora é só habilitar o Fetch Profile na Session indicando pelo nome, através do método setFetchProfile. Uma vez que esse método é acionado, enquanto a Session for utilizada o Fetch Profile será respeitado.

A seguir trecho do codigo do PedidoDAO usando usando esse esquema:
//busca comum, nesse caso soh na tabela Pedido
Pedido p1 = (Pedido) session.get(Pedido.class, 4); //existe pedido com id 4

//habilita busca (get) do pedido com itens
session.enableFetchProfile("pedido-com-itens");

//gera sql para tabela Pedido com left outer join em ItemPedido
Pedido p2 = (Pedido) session.get(Pedido.class, 7); //existe pedido com id 7


Na sequência faço um ajuste no código anterior, habilitando a busca do Cliente junto com os Itens.
//habilita busca (get) do pedido com itens
session.enableFetchProfile("pedido-com-itens");

//gera sql para tabela Pedido com left outer join em ItemPedido
Pedido p2 = (Pedido) session.get(Pedido.class, 7); //existe pedido com id 7

//na mesma session, habilita busca (get) do pedido com cliente
session.enableFetchProfile("pedido-com-cliente");

//gera sql para tabela Pedido com left outer join com ItemPedido e Cliente
Pedido p2 = (Pedido) session.get(Pedido.class, 7); //existe pedido com id 7


Para desabilitar o Fetch Profile é só chamar o método disableFetchProfile da Session. Por enquanto o formato da busca é via JOIN, as outras opções devem sair junto com Hibernate 3.7.

Depois de quase 10 anos, o Hibernate começou a ser criado em 2001, é possível melhorar!


Mais informações:


[]'s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag

Comentários

Unknown disse…
Muito legal, aumenta a glanularidade da configuração de forma simples!

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o