Pular para o conteúdo principal

CInTeQ 2010: Rex Black e testes ágeis

"De chiquilín te miraba de afuera ...", começa o tango. "Quando era moleque te olhava de fora". Essa nostalgia tangueira foi evocada quando li algumas coberturas do CInTeQ 2010, que aconteceu aqui mesmo em SP nos dias 22 e 23/03. Infelizmente, não pude comparecer. Felizmente, foi anunciada uma nova edição para o próximo ano, e farei todo o possível para participar.

Da cobertura, me chamou a atenção o foco de algumas das palestras, particularmente a do Rex Black (um dos papas do teste de software), sobre agilidade. Gostaria muito de ter assistido a palestra. Segundo a cobertura do Fabrício Ferrari, do QualidadeBR (http://bit.ly/9Tw2Ys) , ele abordou assuntos como o papel da automação, gestão dos testes no contexto de Scrum, testes exploratórios e testes baseados em risco.

É ótimo ver que, também na área de testes, os conceitos da agilidade começam a fazer parte da corrente principal dos projetos de tecnologia da informação. Talvez no Brasil ainda a gente esteja bem no início: lá fora agilidade em geral já é "mainstream".

Até pouco tempo atrás, me sentia um pregador solitário no meio do deserto, tentando mostrar como não é apenas possível, como indispensável adotar pelo menos alguns conceitos de agilidade para poder testar eficazmente. Participo de comunidades ligadas à agilidade e ao teste de software, e vejo que ainda é preciso construir pontes entre elas: as diferenças entre modelos mentais ainda são grandes.

Na comunidade ágil, da qual participo desde que esta começou a se organizar no Brasil (palestrei já no XP Brasil 2002 sobre refactoring com AOP), os profissionais de teste são percebidos em geral como muito ligados ao modelo em cascata e à gestão baseada em comando e controle, e atividades de terceirização de serviços de testes são vistas com bastante reserva: afinal, teste é visto como algo indivisível do desenvolvimento: já fazemos example-driven development, certo ?

Comecei a trabalhar com automação de testes (capture & replay em ambiente AIX/Motif) em 94, depois de fazer um curso de tópicos de teste no mestrado da FEEC/UNICAMP, com o prof. Jino (um dos pioneiros na área no Brasil). A automação estava bem nos primórdios, e mais ou menos naquela época é que começou a se configurar o mercado das ferramentas comerciais de automação de teste baseadas na interface usuário (licenças caríssimas e soluções sem dor).

Essa percepção da automação baseada apenas na interface usuário ainda é forte na comunidade de testes, mas os agilistas vêem com reservas o investimento excessivo nesse tipo de automação, assim como a gestão segregada das atividades de teste e a insistência em documentação formal.

Em contrapartida, o uso eficaz de técnicas de automação para testes de unidade, convergência entre requisitos e testes automatizados (ATDD, BDD) , dev+ops, dublês de teste e padrões de projeto para apoiar a testabilidade (dependências injetáveis, presenter-first) parecem ter um eco bem maior na comunidade ágil: alguns desses conceitos são ainda estranhos para muitos profissionais de teste.

Em suma, ainda há um longo caminho a ser percorrido para unir experiências e avançar nos testes e na agilidade, com o objetivo de ter melhor qualidade e entregar software com mais valor para o negócio. Cada vez dependemos mais de software no dia a dia, para trabalhar, para nos comunicarmos e até para garantir nossa integridade física. Tendo começado com uma letra de tango, termino parafraseando a bossa nova:

"Os pogueiros que me desculpem, mas qualidade é fundamental."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o