Pular para o conteúdo principal

Browsers para todos os gostos e um aperitivo de Selenium nas nuvens

Em 1989, foi derrubado o muro de Berlim. O ensaista Francis Fukuyama decretou o "fim da história": o capitalismo norteamericano havia vencido a guerra fria com seu sistema rival, o antes temido comunismo soviético. De fato, o sistema capitalista se tornou dominante, com a exceção de um par de cenários de reality show onde moram alguns milhões de pessoas: o Pedro Bial de um deles usa um topete midiático e o outro, que não raspa a barba há meio século, virou garoto propaganda da Adidas.

Na geopolítica, de lá pra cá, a hegemonia norteamericana sofreu abalos: vivemos em um novo mundo multipolar, onde outros atores passaram a crescer em relevância, principalmente os BRICs.

Em 2002/2003, a primeira guerra dos browsers também chegou ao fim. Com mais de 95% de participação, o Internet Explorer se tornou o único browser relevante. Os webdesigners colocavam avisos dizendo que, se você não atualizasse seu browser para IE 6, você não teria o privilégio de visitar aquele site.

Assim, para quê se preocupar com os padrões do W3C ou da ECMA ? Se não funcionava para os desajustados, eles que se ajustassem. Naquela época, acessar a web a partir do celular era uma raridade, e apenas os nerds mais radicais insistiam em usar um desktop Linux: assim como os grupúsculos de ultraesquerda que só existem em diretórios de estudantes de universidades públicas, eles se dividiam entre os partidários de cada distribuição. Para o dono da confecção que queria divulgar suas promoções na internet, ou simplesmente falar orgulhosamente para os clientes "agora temos um saitenauebe !", o fato de alguém não poder acessar a página inicial dele usando o Konqueror era irrelevante.

Hoje, a situação é bem diferente. O acesso à web por celulares e PDAs, dos quais apenas uma minoria consegue rodar IE, é corriqueiro. Computadores de mesa, laptops e netbooks comprados nas Casas Bahia já vêm com Ubuntu instalado, e Macs não são mais exclusivos de designers estilosos. Em novos dispositivos como mini-tablets (Kindle, iPad = iPhone de Itu), ainda não se sabe se haverá uma plataforma dominante. O ChromeOS também deve mexer nesse mix.

Nas estatísticas, a participação do IE já se reduziu aproximadamente à metade dos dispositivos que acessam a web, e a metade restante está bastante pulverizada. Hoje, o dono da confecção que passou a depender mais da web e não reformulou seu site IE-only desde 2002, pode estar deixando de fora metade dos seus clientes.

Quem já leu algum outro post deste blog, deve ter percebido que sou viciado em teste de software: como fazer para testar seu site com um número crescente de browsers ? Comprar diversos tipos de hardware, instalar sistemas operacionais diversos e contratar um exército de testadores manuais não parece ser uma estratégia viável para o dono da confecção.

É ai que começamos a pensar no assunto da moda: cloud. Seria possível montar uma infraestrutura com máquinas virtuais, cada uma executando um sistema operacional e um browser diferente, e poder controlá-los remotamente, executando um mesmo roteiro de testes ?

Felizmente, isso é possível. A família de ferramentas Selenium permite montar tal infraestrutura através do Selenium Grid. No site tem um passo-a-passo de como montar um conjunto de nós escravos de Selenium Grid no serviço EC2 da Amazon (http://selenium-grid.seleniumhq.org/setting_up_selenium_grid_on_ec2.html)

Outra possibilidade, talvez menos nerd, é contratar alguém que já fez isso e que oferece o teste como serviço (TaaS ?), a partir dos seus próprios scripts para Selenium, numa nuvem pública. Você paga o que o taxímetro indicar, e recebe os relatórios no conforto do seu browser. Este serviço é oferecido pela BrowserMob (http://browsermob.com). De quebra, você pode fazer testes de carga com um número grande de browsers reais, reutilizando toda a lógica dos seus testes funcionais, em vez de precisar escrever testes específicos para ferramentas como JMeter.

Se, por algum motivo, você não deseja confiar sua preciosa lógica de teste (o que provavelmente não é o caso do dono da confecção) aos cuidados de terceiros, daria para montar uma nuvem interna usando, por exemplo, o Eucalyptus nos computadores que normalmente ficariam ociosos durante a noite.

Pretendo explorar esta possibilidade nas próximas semanas e postar os resultados do experimento.
Aguardem.

Jorge Diz
http://twitter.com/jorgediz

Comentários

Dr. Spock disse…
Oi Jorge,

Acho que o tico e teco aqui não captaram os binds. Qual o bind entre guerra fria, BBB, esquerda, radicalismo, etc com os browsers, testes e selenium? Eles conseguiram captar sobre a necessidade de testes automatizados com a crescente adoção de vários browsers e meios diferentes de conexão (konqueror, safari, firefox, chrome, opera, iphone, ipod, pc, mac, smartphones, netbooks, ipad, etc). Nesse ponto tudo bem! Começou com história/filosofia e parou no técnico ... aí pifou o teco ... e o tico ficou confuso :)
Jorge Diz disse…
Explicando:

Guerra fria ~ Guerra dos browsers

Capitalismo ~ IE : vitória esmagadora

Relíquias comunistas ~ Usuários de outros browsers

BRICs ~ FOCS (Firefox, Opera, Chrome, Safari)

A geopolítica mudou desde o fim da guerra fria ~ O cenário da web mudou desde o fim da guerra dos browsers.

Ai talvez faltou continuar com a metáfora ...
mas a ideia era tentar mostrar que o mundo mudou e que vc espanta metade dos seus clientes se continuar com a ideia de que o IE marcou o "fim da história"

Acho que dei um cavalo de pau quando comecei a falar de testes, uma vez montado o cenário...

Obrigado pelo feedback :)

Jorge
Anônimo disse…
Pois sua "metafora" ficou excelente! So nao havia entendido o lance do BRICs, que esclareceu aqui. Parabens! - Daniel

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o