Pular para o conteúdo principal

7 Boas Práticas de Desenvolvimento com Spring Framework

Durante o desenvolvimento da apresentação realizada pelo colega Ricardo Jun para o TDC 2009 da Globalcode realizamos uma compilação de várias boas práticas de desenvolvimento com o Spring Framework. Baseado na experiência e pesquisas em sites na internet, estas práticas foram reunidas e selecionadas para a apresentação no TDC. Contudo, algumas boas práticas discutidas não foram tratadas completamente neste evento. Então, reuni neste post algumas destas práticas resultando nas seguintes "7 Boas Práticas de Desenvolvimento com Spring Framework":

Prática 1: Separe a interface da implementação dos componentes

Esta prática favorece a implementação de testes e o uso de mocks, favorece o uso futuro de OSGi e o Spring dm Modules. Diversos serviços gerenciados pelo Spring são aplicados aos componentes através de AOP com proxies dinâmicos.

Prática 2: Configure os componentes de negócios através de anotações e alguns serviços tecnológicos através de XML

Esta prática reduz a quantidade de XML e no futuro teremos uma JSR que permitirá alterar as anotações especificas do Spring para configuração e injeção dos componentes. Além disso, existem casos que só conseguimos configurar alguns serviços através de XML (sem contar o Java Config Module, que foi incorporado ao Spring Framework 3.0), por exemplo, .properties, Entity Manager Factory e datasources.

Prática 3: Prefira as anotações padrões (resultante de JSRs)

Estão disponíveis as anotações padrões definidas na JSR-250 (Common Annotation) e JSR-303 (Bean Validation), por exemplo. Se necessário, ao usar estas anotações, os componentes podem ser migrados ou reusados como EJBs ou em outro framework com suporte a injeção de dependências.

Prática 4: Implemente componentes "thread-safe" (singleton)

Com está prática delegue o estado conversacional para as entidades e para os escopos web. O Spring funciona melhor com componentes singleton desde a sua concepção.

Prática 5: Use o SpringSource Tool Suite ou Spring IDE

Proporciona produtividade ao editar XML, aplicar anotações e obter uma visão geral de quais componentes existem no projeto, mesmo que a configuração esteja pulverizada no classpath por causa das anotações.

Prática 6: Implemente testes usando Spring Test Framework

Simplifica o bootstrap de um ApplicationContext baseado num cenário de testes usando anotações e de maneira bem simples. Além de permitir o uso de mocks, JUnit e TestNG ao delegar boa parte do trabalho para o framework de testes do Spring e deixando no código apenas com o teste efetivamente.

Prática 7: Prefira os produtos do Spring Portfólio

Para problemas recorrentes que já são resolvidos pelos produtos do Spring Portifólio, existe a garantia de uma boa integração com o Spring Framework, além de seguir as mesmas boas práticas na definição de componentes, configuração, modelagem e aplicação de design patterns. Por exemplo, segurança use Spring Security, suporte a OSGi use Spring dm, MVC+Web+JSF+Ajax+JavaScript use Spring Web Flow, enterprise Integration patterns use Spring Integration, Spring + Flex use Spring BlazeDS Integration, Spring + Swing use Spring Rich Client, processos em batch use Spring Batch e se ainda o desenvolvedor não gosta de Java e prefere .NET use Spring .NET.

fonte: Spring Brasil User Group

By Spock
http://blog.spock.com.br/
http://twitter.spock.com.br/
http://www.springbrasil.com.br/

Comentários

Anônimo disse…
GC-CBR

Esse artigo é muito bom, ele explica de um jeito facil a ferramente Spring Framework.

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o