Pular para o conteúdo principal

Hello Roo

Durante o segundo semestre de 2009 tomei conhecimento a respeito da iniciativa de produtividade da Springsource conhecida como Spring Roo. Posteriormente, tive um contato muito convincente com essa ferramenta durante a passagem de Rod Johnson no Brasil no evento TDC 2009.
Atualmente utilizo essa ferramenta em um projeto, e espero compartilhar algumas experiências no Casual Class de Spring, dia 26 fev 2010. Este evento marcará o lançamento do Spring Brasil User Group.

 O que é Spring Roo ?
 - Roo é uma ferramenta Open Source de produtividade Java, baseada em
    - uma plataforma modularizável capaz de evoluir através de add-ons
    - um terminal de comandos, chamado Roo Shel.
 - Sem dúvida o principal atrativo de produtividade do Roo é a geração de código. Justamente por utilizar uma plataforma modularizável não podemos dizer que o Roo é apenas um gerador de código, e entendo que muitas etapas do ciclo de vida de um projeto Java poderão se beneficiar dessa ferramenta. Por exemplo, Roo já oferece suporte para automação de testes.
 - Roo representa uma evolução em relação a outros geradores de código, ao suportar desenvolvimento interativo, onde o código gerado (camadas web, persistência e testes) não é definitivo. Em outras palavras, através do Roo, o código gerado evolui automaticamente, junto com o modelo de entidades.
 - A distribuição atual do Roo (1.0.1):
    - fornece geradores de código para aplicações web baseadas em Spring MVC 3.0, AspectJ e nos padrões Bean Validation e JPA
    - fornece geradores de testes JUnit e Selenium
    - é baseada no Apache Maven
 - Além do terminal de comandos (Roo Shell) há o suporte no IDE SpringSoruce Tools Suite (STS), onde encontramos um Roo Shell embutido.
 - Outro destaque é o grau de dependência introduzido: mínimo. Um projeto iniciado com o Roo não precisa utilizá-lo eternamente, sendo razoavelmente simples continuar o projeto desenvolvendo "na mão", sem utilizar o Roo Shell.

O que não é Spring Roo:
 - Roo não é um framework: um projeto criado em Roo não necessita de nenhuma biblioteca Roo em tempo de execução. Sim, existem annotations @Roo, entretanto estas possuem retenção no código fonte, e servem para orientar o gerador de código do Roo e o AspectJ.
 - Roo não determina uma arquitetura para seus projetos: como foi dito a distribuição atual gera aplicações Spring MVC / JPA, mas não tardatá surgir add-ons para outras arquiteturas (a Springsource tem demonstrado um interesse muito grande em add-ons para GWT).
 - Roo não é a salvação para desastres iminentes em projetos, onde pelo menos dois dos seguintes fatores estão presentes: requisitos mal especificados / cronogramas e orçamentos surreais / equipes de desenvolvimento inexperientes. Suspeito que, nesses casos a salvação não se encontrá em uma ferramenta, em um framework ou em promessa alguma de mágica tecnológica.

Gostinho de Produtividade
No vídeo abaixo, Massimiliano Dessi (Spring Framework Italian Group) demonstra a construção de um projeto com o Roo Shell.
Notem que o vídeo utiliza uma versão antiga (Milestone 2) do Roo, e a versão atual (Release) possui vários comandos simplificados, como veremos a seguir.



Preparando seu Hello World
- JDK 6
- Apache Tomcat 6
- Apache Maven 2.0.9 ou superior
   -  http://maven.apache.org/index.html
   -  http://docs.codehaus.org/display/MAVENUSER/Getting+Started+with+Maven
- instale o Roo 1.0.x com Roo Shell (terminal de comandos)
  - download em http://www.springsource.com/download/community?project=Spring%20Roo
  - descompacte o zip em um diretório de sua preferência
  - crie uma variável de ambiente ROO_HOME, apontando para o diretório de instalação
  - ajuste sua variável de ambiente PATH, acrescentando o caminho ROO_HOME/bin

Criando um projeto via terminal de comandos
Como exemplo criaremos um cadastro de bookmarks. Na primeira execução do Roo o Maven será acionado para fazer diversos downloads de bibliotecas - uns 10 minutos de paciência.
- crie um diretório (ex: roo_teste1) posicione-se (cd roo_teste1)
- inicie o Roo Shell (aqui começa a diversão), digitando roo.sh ou roo.bat

Dois comandos iniciais no Roo Shell: help e hint. O comando help exibe todos os comandos disponíveis no shell. Já comando hint fornece uma ajuda contextualizada, sugerindo o que você pode fazer em determinado estágio do seu projeto.
Não deixe de utilizar autocomplete do Roo Shell, que é ativado com a tecla TAB no terminal de comandos (ou com CTRL+SPACE no STS).
Digite no Roo Shell os seguintes comandos (em negrito).
Para criar o projeto e definir a esturura de pacotes principal:
project --topLevelPackage globalcoders.bookmarks
Para definir a camada de persistência:
persistence setup --database HYPERSONIC_IN_MEMORY --provider HIBERNATE
Para definir uma classe de entidade, para as categorias de bookmarks (o símbolo ~ significa o pacote top level)
entity --class ~.model.Categoria
Para definir um campo ná última entidade:
field string --fieldName nome
Mais uma entidade, para os bookmarks:
entity --class ~.model.Bookmark
Campos, com restrições e relacionamentos:
field string --fieldName url --sizeMin 5 --sizeMax 200 --notNull
field reference --fieldName categoria --type ~.model.Categoria
field date --fieldName dataCadastro --type java.util.Date
Para gerar a camada web, com controllers Spring MVC e views .jspx e Tiles:
controller all --package ~.web
Para compilar e gerar um .war (via Maven):
perform package
Para adaptar o projeto para o Eclipse:
perform eclipse
Para fechar o Roo Shell:
quit

Vamos executar a aplicação, colocando o Tomcat no ar e fazendo o deployment via Maven.
No terminal de comandos, com o Roo Shell fechado (quit), execute:
mvn tomcat:run
No browser de sua preferência: http://localhost:8080/bookmarks

Onde estão os métodos das Entidades e Controllers ?
Você pode conferir o código gerado na pasta src/main do seu projeto.
Ao inspecionar os arquivos Categoria.java e Bookmark.java verificamos que não existem métodos get/set ou toString().
E inspecionando os contollers CategoriaController.java e BookmarkController.java não encontramos métodos.
As implementações de tais métodos ocorrem através de um mecanismo suportado em AspectJ chamado Inter-type declarations (ITD). Ao navegar nos diretórios onde se encontram os arquivos .java das entidades e controllers encontraremos arquivos com a extensão .aj que implementam os métodos em questão.
Uma dica importante: os ITDs são gerados automaticamente pelo Roo e não devem ser editados. É possível editar os arquivos .java - no  vídeo do Massimiliano o método toString de uma das classes foi redefinido em um arquivo .java.
Outra dica: utilizar a IDE (baseada no Eclipse) Springsource Tool Suite 2.3.0 ou superior pois suporta AspectJ, e consequentemente os ITDs.

Sugestões para experiências adicionais
 - Edite diretamente o arquivo Bookmark.java, adicionando um atributo String descricao com annotations @Size e @NotNull (da especificação Bean Validation, JSR 303). Execute o Roo Shell novamente e observe as mensagens geradas. Saia do Roo Shell, e execute o tomcat (mvn tomcat:run) e via browser verifique o que mudou no formulário de criação de Bookmarks.
 - Em Categoria.java defina um método toString ao seu gosto  e remova a annotation @RooToString. Que mensagem surge no Roo Shell após salvar este arquivo código fonte ? Execute novamente o tomcat e verifique o combo box de Categorias no formulário de Bookmarks;
 - No Roo Shell digite finder list --class ~.model.Bookmark. Ainda no Roo Shell digite finder add findBookmarksByDataCadastroLessThan. Execute o tomcat e veja o que mudou no menu da aplicação.

Onde encontrar mais informações:
- Muitos links em http://forum.springsource.org/showthread.php?t=71985
- Não perca o Casual Class da Globalcode
- Acompanhe meu blog

Renato Bellia
http://twitter.com/renatobellia
http://notasingleshot.blogspot.com

Comentários

Yara Senger disse…
Parabéns pelo post Renato, ficou ótimo, completo. Adorei os videos que você incluiu no post.

Você vai mesmo utilizar Spring Roo em projetos reais ?

[]s
Yara
rbellia disse…
Opa, já estamos utilizando.
Melissa Villela disse…
Se você encontrar a mensagem 'Could not locate Maven executable; please ensure mvn command is in your path', acrescente na variável PATH o caminho do diretório bin de onde você instalou o maven.
Anônimo disse…
GC-CBR

Parabéns mesmo pelo post, ficou totalmente completo, até com videos para ajuda a entender melhor.
Robert Willian disse…
Não gostei muito do excesso de Aspect, onde eu vou colocar meus finders complexos, aqueles que só na unha é possivel de ser fazer?

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o