Pular para o conteúdo principal

JSF 2.0 e ScrumToys

No último JustJava promovido pelo grupo SouJava realizamos uma palestra apresentando algumas novidades do JSF 2.0 e a implementação exemplo chamada de ScrumToys. Agora disponibilizamos os slides desta apresentação.

O ScrumToys nasceu de uma iniciativa sem compromisso quando um grupo de desenvolvedores e instrutores da Globalcode resolveu atender o chamado do líder da especificação do JSF, Ed Burns, com uma solicitação de exemplos de aplicações web usando o maior número possível de funcionalidades do JSF 2.0. Como este grupo já possuía um versão alfa de uma aplicação desenvolvida pelo Vinicius Nunes (Globalcode/VOffice/Florianópolis), este grupo realizou diversas melhorias e correções nesta versão alfa para atender a solicitação do Ed Burns. Deste trabalho resultou o projeto chamado JSF 2.0 Scrum Whiteboard Application.

A aplicação web JSF 2.0 Scrum Whiteboard Application, ou simplesmente, ScrumToys é uma aplicação simples e completa que demonstra diversas funcionalidades da nova especificação do JSF através de um cadastro em banco de dados de algumas entidades usadas no processo ágil Scrum. O interesse do expert group do JSF 2.0 foi tão grande que agora esta aplicação será incorporada ao pacote de exemplos da implementação de referência (Mojarra) e integrada ao pacote de exemplos da nova versão do NetBeans.

As seguintes novidades do JSF 2.0 foram demonstradas nesta aplicação:
  • Uso de XHTML para descrever as telas (Facelets nativo);
  • Requisições Ajax;
  • Composite Components (componentes e tags customizados criados a partir de XHTML);
  • Navegação implícita;
  • Configuração de Managed Beans por anotações;
  • Novos componentes de estruturação de telas (<h:body>, <h:head>, <h:outputScript> e <h:outputStylesheet>)
  • Validação (BeanValidation) via anotações e integrado às mensagens JSF;
  • Injeção de contexto de persistência JPA (Entity Manager);
  • Propriedades gerenciadas e injetadas por anotações.
Além destas novidades do JSF 2.0, o projeto utiliza o Maven para configuração de dedendências, empacotamento e instalação no servidor de aplicações, uso de JPA 1.0 para persistência no banco de dados JavaDB e instalação simplificada para o Glassfish v3. A partir da compilação e empacotamento do projeto através do NetBeans ou a partir do arquivo WAR (Web ARchive) gerado, a instalação no Glassfish (com suporte a JSF 2.0) é simples e sem configurações extras.

Como o projeto é open source sob as licenças GPL-v2 e CDDL, o código fonte pode ser baixado e estudado por qualquer um que tenha um usuário no site java.net (cadastro online e gratuito). O download do projeto pode ser realizado por linha de comando com um cliente de Subversion (SVN) devidamente instalado:
svn checkout https://mojarra.dev.java.net/svn/mojarra/trunk/jsf-demo/sandbox/scrumtoys2009/eclipseProject scrumtoys --username <seu_usuario>
Após baixar o ScrumToys, a compilação e empacotamento podem ser realizados através do Maven com a seguinte linha de comando no diretório raiz do projeto:
mvn package
O arquivo WAR criado poderá ser instalado no Glassfish v3.

Contudo, um NetBeans pode ser usado para baixar, compilar e rodar o projeto no Glassfish integrado. Para tal, o pacote do NetBeans 6.8 (M1) com suporte a Java EE, Web e Glassfish deve ser baixado e instalado na máquina do desenvolvedor.

Outros detalhes sobre este projeto podem ser obtidos nas seguintes páginas:
Outras referências:

Comentários

Anônimo disse…
No slide 11 da apresentação, não seria "No faces-config.xml" ao invés de "No web.xml"?

Muito legal a inicitiva. Parabéns!
Daniel Borges Ribeiro disse…
Olá,

o link para o minicurso 45 citado em "referências" do slide acima não possui o link para download do pdf.
Eu gostaria de baixá-lo. Seria possível corrigir?

Obrigado(danielbribeiro@gmail.com)

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o