Pular para o conteúdo principal

Design Patterns - Será que preciso aprender?

O termo Design Patterns (padrões de projeto) foi criado originalmente pelo engenheiro Christopher Alexander para documentar as soluções de projeto comumente utilizados na construção civil. Mais tarde, o termo passou a ser utilizado na área de informática como forma de descrever soluções para problemas encontrados no projeto de software orientado a objetos.

Com o surgimento dos frameworks mais modernos como JBoss Seam, Spring, entre outros, muito se tem discutido a respeito da importância dos Design Patterns.

Na época em que o programador escrevia grande parte do código de controle das aplicações, padrões como Singleton, Façade, DAO, Chain of Responsability, Command, entre outros, eram frequentemente utilizados para criar os pontos de extensão da aplicação, por onde novas funcionalidades podiam ser criadas sem a necessidade de mudanças drásticas no código existente.

Como atualmente a maioria das aplicações é construída sobre um framework, muitos desses padrões já estão incorporados ao projeto por fazerem parte dos frameworks. Por isso, especialistas garantem que nós não precisamos mais utilizar muitos dos Design Patterns existentes.

De fato, se pensarmos em usar os design patterns para resolver os problemas do núcleo da nossa aplicação, realmente eles não precisam ser implementados diretamente pelo programador. Porém, vários Design Patterns vão muito além dessa forma de utilização e apresentam soluções valiosíssimas para questões particulares de cada projeto. Problemas como a necessidade de executar regras específicas com base num modelo de herança complexo ou no estado de um objeto podem ser facilmente resolvidos usando Design Patterns que, além de padronizar o código, oferece facilidades para extender/alterar o modelo futuramente. Alguns exemplos de padrões que atacam essa linha são Strategy, State, Bridge, Decorator, entre outros.

Portanto, mesmo construindo aplicações a partir dos frameworks mais modernos, o conhecimento sobre Design Patterns continua sendo de grande importância para quem trabalha com linguagens orientadas a objetos, como Java, C#, etc.

E mais importante do que saber como implementar um Design Pattern, é saber qual é o problema que você pode resolver com cada padrão. Eu já ouvi várias pessoas dizendo que não entendem os padrões ou que não sabem como fazer uso eficiente deles. Isso certamente acontece porque os problemas resolvidos pelos padrões não são conhecidos.

Para quem quer começar a estudar Design Patterns, a referência principal é o catálogo GoF no livro "Padrões de Projeto - Soluções Reutilizáveis de Software Orientado a Objetos", Gamma E. et al. Esse livro descreve 23 padrões que se aplicam aos mais diferentes problemas de orientação a objetos.

Mas se você for a favor de cursos, relembrando o post do nosso amigo Julio Viegas sobre livro ou curso, a Globalcode tem um minicurso gratuito de 3hs - Introdução a Design Patterns - cujo objetivo é introduzir o conceito de Design Patterns e falar sobre alguns dos padrões mais conhecidos. Uma outra opção, mais apronfundada, é o curso - Core Patterns - de 40hs que trata dos 23 design patterns do GoF e outros 10 do catálogo Java EE BluePrints, com uma abordagem bastante voltada para os problemas resolvidos pelos padrões.

Para quem está lendo esse post em tempo, dia 19 de agosto eu mesma irei ministrar o minicurso de design patterns na Globalcode. Para se inscrever nesse minicurso ou ver outras datas disponíveis acesse o site da Globalcode.

Uma outra fonte de informação é uma entrevista onde comento um pouco mais sobre o que são os Design Patterns e como identificar a necessidade de utilizá-los em nossos projetos.

Comentários

Marcio Duran disse…
Acredito que o assunto pode mesmo também ser debatido em ambito de como eu indentifico o modelo para o think patterns a ser utilizado.

Quero aqui deixar um link que fala sobre algo já discutido nesse portal.

Compondo seu comportamento: herança, Chain of Responsibility e Interceptors

http://blog.caelum.com.br/2010/06/28/compondo-seu-comportamento-heranca-chain-of-responsibility-e-interceptors/

Nesse link foi observado se Singleton não seria o canditado ao patterns de controle.

Nesse outro link são demonstra exemplo em experiência ao Padrões de Projetos.

http://www.javabuilding.com/academy/patterns.html

Dizer que a industria já fornece os desing patterns que já são vinculados em seus frameworks em regra temos um modelo default mas na certa refatorações e transformações vão ocorrer a não ser que já seja algo em propriedade ou lincença para suporte de algum fornecedor.

Postagens mais visitadas deste blog

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m

JSON fácil em Java com GSon !

Ola pessoal ! O formato JSON ( J ava S cript O bject N otation) vem se consagrando cada vez mais na comunicação de dados, principalmente nos dispositivos móveis devido a esse formato ser mais leve que o XML e também mais legível. Uma prova disso são as inúmeras bibliotecas que existem para manipular esse formato, e no caso do Android, o suporte ao JSON é nativo. Mas apesar de ter esse suporte nativo, algumas operações devem ser feitas manualmente e o código acaba ficando um pouco verboso e repetitivo, já que para cada objeto que se deseja transmitir é necessário fazer um método que lê as propriedades do JSON e faz as devidas atribuições no seu objeto Java. Vamos supor o seguinte objeto sendo transmitido em JSON: {   user: {     id: 123456,     name: "Neto Marin",     username: "netomarin",     email: "netomarin@globalcode.com.br"   } } Se você fosse tratar um Webservice que envia esse JSON para o seu aplicativo Android, além de criar a o